Feira de Frankfurt termina com promessas de reestruturação

Evento deve trazer mudanças em 2015

Ubiratan Brasil - ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S. Paulo

12 de outubro de 2014 | 18h55

FRANKFURT - Com os negócios entre editores encerrados na sexta-feira, a Feira do Livro de Frankfurt, como de hábito, abre suas portas ao público no fim de semana. O resultado são corredores mais repletos, especialmente de jovens fantasiados de personagens literários, os cosplayers, que não pagam para entrar. Os debates também se tornam menos técnicos. É o momento para se acompanhar encontros com autores, especialmente estrangeiros.

O francês David Foenkinos foi um deles. No sábado, ele lotou a tenda do Ágora, espaço montado ao ar livre e que deverá receber mais eventos a partir do próximo ano. Com uma discreta, porém indisfarçável, irritação pelo desconhecimento do mediador sobre sua obra, ele buscou agradar à plateia ao revelar seu interesse pela Alemanha, onde veio lançar a tradução de La Tête de l’Emploi, livro que escreveu inspirado na crise europeia. 

“A língua de seu país é a mais erótica do mundo. A musicalidade é muito sensual”, justificou ele, modificando ligeiramente a opinião depois de ouvir no idioma local a leitura do primeiro capítulo de seu livro feita pelo mediador. “Pensando bem, acho que uma mulher falando torna a língua mais erótica.”

A prosa de Foekinos lembra os filmes de Woody Allen: problemas existenciais embalados por um humor agridoce. O livro mostra o desabamento do mundo de Bernard, cinquentão que de repente perde tudo e é obrigado a voltar a morar com os pais. Isso desencadeia uma crise no casal de velhos que, ao final, obriga Bernard a tomar uma atitude. “Gosto quando os personagens se metem em confusões que os fazem a sair da zona de conforto”, disse ele, que se inspirou em uma reportagem de TV.

Autores em busca da fama também aproveitaram a feira. É o caso do brasileiro Fernando Teixeira de Camargo, cuja estreia na literatura fantástica juvenil foi em inglês - Shanti and the Magic Mandala (Shanti e a Mandala Mágica) foi publicada pela inglesa Lodestone Books, selo juvenil da John Hunt Publishing.

“Enviei o argumento para várias editoras, mas eles responderam com interesse”, conta ele, que assina F. T. Camargo. O livro é uma aventura multicultural com abordagem mística e, apesar de recém-lançado, já recebeu a medalha de bronze no prêmio Moonbeam Children’s Book Awards, na categoria Young Adult Fiction - Spirituality.

Camargo lançou seu livro no pavilhão 8 que, a partir do próximo ano, não mais será usado pela feira. A fim de reduzir custos, os organizadores resolveram transferir as editoras ali instaladas (notadamente as de língua inglesa) para o pavilhão 6. Com isso, em 2015, a Feira de Frankfurt contará com quatro pavilhões, além do reservado ao país homenageado. A organização diz que a decisão condiz com a nova realidade do mercado: global, e não mais focado só nas editoras inglesas e americanas.

Outra mudança observada nos últimos anos é que as grandes promessas de best-seller são negociadas antes da feira. Entre os livros vendidos como futuros best-sellers, estão The Girls, de Emma Cline, de 25 anos, que teria sido comprado por mais de US$ 1 milhão (no Brasil, sairá pela Intrínseca), e The Longings of Jende Jonga, da camaronesa de 33 anos Imbolo Mbue, que ficou com a Globo. A catalã Milena Busquets, de 42 anos, fez sucesso na feira com o ainda inédito También Esto Pasará.

Foi notável ainda o aumento do número de expositores da área de tecnologia. Bill Murray, CEO da HarperCollins, segundo maior grupo editorial do mundo, comentou as vantagens e desvantagens da proximidade entre as duas áreas: “No digital, a cada hora temos um novo parceiro, uma nova oferta de produto e novas possibilidades de promoção do livro. Empresas aparecem da noite para o dia, com dinheiro, e logo tentarão entrar no negócio do livro. Temos de estar na frente. Temos de experimentar ideias”. / COLABOROU MARIA FERNANDA RODRIGUES

ENTRELINHAS

De 61 países

O ilustrador Roger Mello está entre os 197 candidatos nomeados para o Astrid Lindgren Memorial Award. O resultado sai em março.

Segunda vez

A França será o país homenageado pela Feira em 2017 e formará, com Brasil (1994 e 2013) e Índia (1986 e 2006), o grupo de nações escolhidas duas vezes.

O mais bonito

Uma votação popular elegeu, na Feira, o livro mais bonito do ano: o infantil Und dann Plazt der Kopf (E então dói a cabeça), da alemã Christina Röckel, resultado de sua conversa com 12 crianças sobre o que é a alma. Participaram mais de 600 obras.

Homenagem

Os 80 anos de Woody Allen (e 50 da estreia como roteirista) serão comemorados em 2015 com eventos, entre eles, uma biografia, Woody Allen: a Retrospective, a ser escrita pelo jornalista Tom Shone para a editora Palazzo. 

Tudo o que sabemos sobre:
Feira de Frankfurtliteraturalivros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.