Scholastique
Scholastique

Família de Roald Dahl, autor de 'Matilda', pede desculpas por declarações antissemitas dele

Autor também de 'A Fantástica Fábrica de Chocolate' e de 'O Bom Gigante Amigo' disse em 1983 que Hitler não atacou os judeus 'sem motivos'

Redação, AFP

07 de dezembro de 2020 | 09h13

A família do escritor britânico Roald Dahl (1916-1990) apresentou, neste domingo, 6, desculpas pelas declarações antissemitas feitas pelo famoso morto há 30 anos.

Em uma discreta declaração enviada para o site oficial da Roald Dahl Story, sua família e empresa apresentam "suas sinceras desculpas pelas feridas duradouras e incompreensíveis causadas por algumas das declarações de Roald Dahl", famoso sobretudo por suas histórias infantis, embora o galês tenha trabalhado em vários outros gêneros.

"Esses preconceitos são incompreensíveis e para nós contrastam com o homem que conhecemos e os valores que estão no cerne das histórias de Roald Dahl", acrescentam em uma passagem do texto. 

O criador de A Fantástica Fábrica de Chocolate, Matilda ou O Bom Gigante Amigo, que morreu em 1990, fez declarações claramente antissemitas em entrevista à revista britânica New Statesman em 1983, legitimando o antissemitismo.

Nesta entrevista, o autor argumentou que "há um traço no temperamento judeu que provoca animosidade (contra ele), talvez seja uma espécie de falta de generosidade para com os não judeus". "Mesmo um bastardo como Hitler não os atacou sem motivo", acrescentou.

Esses comentários há muito pesam no legado de Dahl, muitos de cujos livros infantis foram transformados em filme após sua morte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.