Evaldo Cabral de Mello é eleito para a ABL

Historiador é um dos mais destacados do País

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

23 Outubro 2014 | 17h57

Atualizado às 20h

O historiador e diplomata Evaldo Cabral de Mello, de 78 anos, foi eleito nesta quinta-feira para ocupar a cadeira 34 da Academia Brasileira de Letras (ABL), vaga desde a morte do escritor João Ubaldo Ribeiro, em 18 de julho. Evaldo recebeu 36 dos 37 votos possíveis (houve uma obtenção), em primeiro escrutínio. Vinte acadêmicos votaram pessoalmente e 16 enviaram sua escolha por carta. Um dos mais destacados historiadores brasileiros, Evaldo é irmão do poeta João Cabral de Melo Neto (1920-1999), que também foi acadêmico, eleito em 15 de agosto de 1968.

Em rápida entrevista concedida após a eleição, durante uma recepção promovida em um hotel em Ipanema, na zona sul do Rio, o historiador chamou a atenção para o estado dos arquivos públicos no Brasil, que classificou como “lamentável”. “Estão apodrecendo, estão pessimamente conservados e, daqui a pouco, terão desaparecido de todo. Ninguém pensa nisso, ninguém se preocupa, ninguém está atento a essa aspecto”.

Avesso a entrevistas, Evaldo não quis se estender em comentários sobre sua eleição para a ABL. “Significa uma etapa. Um gesto dos amigos que tenho lá (na Academia), que me estimularam a me candidatar. Não gosto de falar de mim”, disse o novo acadêmico. “Infelizmente, não sou imortal. Aliás, felizmente, porque ser imortal realmente deve ser muito chato”, concluiu, brincando com o conceito atribuído aos acadêmicos.

Perguntado pela reportagem do Estado sobre a eleição do próximo domingo, Evaldo não quis comentar. “Historiador não tem que falar sobre o presente”, declarou.

O novo integrante da ABL nasceu em Recife em 22 de janeiro de 1936 e atualmente mora no Rio de Janeiro. Estudou Filosofia da História em Madri e Londres. Em 1960 ingressou no Instituto Rio Branco, que tem sede no Rio e forma diplomatas, e dois anos depois iniciou a carreira diplomática. Serviu nas embaixadas do Brasil em Washington, Madri, Paris, Lima e Barbados, em missões do Brasil em Nova York e Genebra e nos consulados gerais do Brasil em Lisboa e Marselha.

Evaldo é especialista em história regional e no período de domínio holandês em Pernambuco no século 17, tema de vários de seus livros, como Olinda Restaurada (1975), sua primeira obra, Rubro Veio (1986), sobre o imaginário da guerra entre Portugal e Holanda, e O Negócio do Brasil (1998), sobre os aspectos econômicos e diplomáticos do conflito entre portugueses e holandeses.

Sobre a Guerra dos Mascates e a rivalidade entre brasileiros e portugueses em seu Estado natal, publicou A Fronda dos Mazombos (1995).

A cadeira 34 da ABL já foi ocupada por João Manuel Pereira da Silva (fundador, que escolheu como patrono o sacerdote e poeta Sousa Caldas), Barão do Rio Branco, Lauro Severiano Müller, Dom Aquino Correia, R. Magalhães Jr. e Carlos Castelo Branco.

QUEM É 

Evaldo Cabral de Mello

Nascido no Recife em 1936, Evaldo Cabral de Mello ingressou no Instituto Rio Branco em 1940 e fez carreira diplomática servindo em lugares como Washington, Madri, Barbados e Paris. É um dos principais historiadores brasileiros e sua especialidade é em história regional e no período de domínio holandês em Pernambuco no século 17, Ao seu primeiro livro, Olinda Restaurada (1975), seguiram obras como Rubro Veio (1986), O Negócio do Brasil (1998), A Fronda dos Mazombos (1995), Nassau: Governador do Brasil Holandês (2006), entre outras.

O próximo imortal.Membros da ABL voltam a se reunir no dia 30 para decidir quem ocupará a cadeira de Ariano Suassuna. A expectativa é que o jornalista e escritor mineiro Zuenir Ventura, de 83 anos, seja o escolhido. Ele é autor de obras como 1968: O Ano Que Não Terminou e Sagrada Família.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.