Patricia Santos/Estadão
Patricia Santos/Estadão

'Eu vejo o homossexualismo como um defeito', diz príncipe imperial em festival literário

Frase polêmica foi dita por Dom Bertrand de Orleans e Bragança em Poços de Caldas, Minas Gerais

Rene Moreira, ESPACIAL PARA O ESTADO

02 Maio 2017 | 15h16

O príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança causou polêmica na noite desta segunda-feira, 1º, ao participar da 12ª edição do Festival Literário de Poços de Caldas (Flipoços), onde falou sobre seu livro Psicose Ambientalista - Os Bastidores do Ecoterrorismo para implantar uma Religião Ecológica Igualitária e Anticristã. 

Durante palestra no teatro do Espaço Cultural da Urca, em Poços de Caldas (MG), ele criticou ambientalistas e chamou atenção ao abordar questões ligadas à sexualidade. "Eu vejo o homossexualismo como um defeito", falou.

A feira literária na cidade mineira é uma das principais do país e deve receber 50 mil pessoas. O teatro palco da apresentação tem capacidade para 450 pessoas, mas não estava cheio apesar de somar bom público. A presença do príncipe imperial está ligada à comemoração em Poços de Caldas da passagem de Dom Pedro II pela cidade, há 130 anos.

Bertrand é trineto do imperador, sendo conhecido por seus discursos conservadores e muitas vezes contra as ideias que se propagam hoje. "Esses mitos ambientais não têm nenhum fundamento científico", falou no Flipoços sobre as bandeiras ecológicas de defesa do meio ambiente. Explicando depois que "97% do Estado do Amazonas está intacto".

Para ele, as conversas de que pecuaristas estariam acabando com Amazônia seriam frutos de uma "campanha internacional". O monarca foi aplaudido em algumas ocasiões ao responder a perguntas do público. Isso aconteceu ao dizer que o homossexualismo seria um defeito. "A doutrina católica vê. E a maioria também vê", justificou Bertrand, que é católico e que tem entre os seguidores muitos jovens ligados à igreja.

Após a palestra, eles fizeram fila para conseguir um autógrafo no livro lançado pelo descendente da monarquia. Ele aproveita o bom momento para defender a volta do antigo regime que, segundo ele, faria com que o Brasil fosse "bonito, honesto."

História. Dom Bertrand de Orleans e Bragança, considerado "Príncipe Imperial do Brasil", é o terceiro dos doze filhos do Príncipe D. Pedro Henrique de Orleans e Bragança (1909-1981), chefe da Casa Imperial do Brasil até seu falecimento.

Também é neto de D. Luiz de Orleans e Bragança (1878-1921), o Príncipe Perfeito, bisneto da Princesa Isabel, e trineto do Imperador D. Pedro II, último monarca dos brasileiros.

Bertrand nasceu em 1941, em Mandelieu, no sul da França, onde o exílio da Família Imperial e a II Grande Guerra retiveram seus pais. Ele veio para o Brasil logo após o término do conflito, tendo recebido desde cedo aqui formação católica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.