Reprodução
Reprodução

Estante: Conheça os livros dos autores convidados do Café Amsterdã

Alguns títulos - há obras para todas as idades - chegaram recentemente às livrarias; outros ainda estão a caminho

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

26 de agosto de 2015 | 06h00

Entre os dias 26 e 30 de agosto, São Paulo será palco do Café Amsterdã, festival de literatura que promoverá o encontro de escritores holandeses e brasileiros. Todos os autores convidados têm livros publicados no País ou a caminho das livrarias.Na próxima semana, o evento será realizado no Rio de Janeiro.

A organização é da Fundação Holandesa das Letras, responsável, também, por conceder bolsas de tradução com o objetivo de tornar a literatura produzida lá mais conhecida internacionalmente.

Tirza

Autor: Arnon Grunberg

Tradução: Mariângela Guimarães

Editora: Rádio Londres (464 págs.; R$ 53,50)

Jörgen Hofmeester tinha uma vida perfeita: uma esposa atraente, uma casa com jardim em um bairro nobre de Amsterdã, uma carreira prestigiosa como editor de livros de ficção estrangeira, duas filhas lindas, Ibi e Tirza, e uma conta-corrente na Suíça. Uma vida burguesa, sossegada, que acaba sendo subvertida por uma série de eventos dramáticos: Ibi, pouco mais que uma menina, é flagrada em situação constrangedora com o inquilino de Jörgen e, depois desse episódio, resolve ir embora para sempre da casa do pai; a esposa de Hofmeester abandona a família em busca de "autorrealização"; a editora, em decisão unilateral, o aposenta antecipadamente; Tirza, a caçula e filha predileta, objeto da obsessão paterna, quando conclui os estudos, parte para uma longa viagem pela África com o namorado marroquino.Confira um trecho:

"Ele vai até o quarto de Tirza para oferecer as sardinhas que acabou de fritar. Ela está usando um vestido preto que tem há anos em seu armário, e não aquele que compraram juntos para essa festa. Um vestido de 300 euros, com sapatos do mesmo valor que combinavam. Hofmeester deve ter demonstrado sua decepção, porque a filha colocou um braço em volta dele e disse: 'Vou usá-lo em outra ocasião, pai, mas não hoje à noite. Não está combinando comigo neste momento. Não estou no clima. Simplesmente não é o vestido que tem a ver com esta noite'. O pai sorri condescendente, com o prato de sardinhas na mão.'Mas nós o compramos para esta noite, Tirza, especialmente para sua festa', queria ter dito. Mas não disse nada. Suas decepções são problema seu. Devem permanecer invisíveis ao mundo."

No Mar

Autor: Toine Heijmans

Tradução: Mariângela Guimarães

Editora: Cosac Naify (160 págs.; R$ 32,90)

Em meio a uma grande crise pessoal e profissional, Donald, um homem de 40 anos, decide passar três meses navegando pelo Mar do Norte em seu veleiro Ishmael. Nos últimos dias do trajeto, da Dinamarca para a Holanda, terá a companhia de sua filha de sete anos, Maria. Será a primeira vez que os dois ficarão sozinhos, sem os cuidados da mãe, Hagar. Apesar do cansaço do pai-capitão, tudo parece estar sob controle.  Quase chegando ao destino final, no entanto, ele perde a filha de vista. Confira um trecho:

"Durante três meses eu tinha buscado tranquilidade no mar. Mas não consegui realmente encontrar calma. As pessoas com que cruzei no caminho me faziam lembrar  do pessoal do escritório. Todo porto e toda ilha estavam cheios de gente. Não tinha como escapar. Além disso, cada milha que eu velejava me levava para mais perto do mundo do qual eu fugira. E assim me sentia ficando cada vez mais pesado, até que vi Maria. Minha filha, que me amava. Dali em diante pensaria nela quando lembranças sobre o escritório rondassem a minha cabeça. Em Maria e Hagar. Simples assim. Me sentia forte e alerta. Ia mostrar para eles, aqueles velejadores ricos nos iates à minha volta. Eles tinham uma máquina de lavar a bordo, eu tinha a minha filha. Quem estava melhor?"

Leia também: Toine Heijmans fala sobre 'No Mar'

Joe Speedboat

Autor: Tommy Wieringa  

Tradutor: Cristiano Zwiesele do Amaral

Editora: Rádio Londres (336 págs.; R$ 39,90)

Fransje, o narrador de Joe Speedboat, tem 15 anos e acaba de sair de um coma no qual entrou depois de um terrível acidente, seis meses antes. Não pode andar nem falar. Seu único meio de locomoção é uma cadeira de rodas; e ele só é capaz de se expressar através da escrita. É dessa forma que ele registra cada detalhe da vida cotidiana em Lomark, o povoado onde mora. Seus diários, seu senso de humor e os ensinamentos do grande samurai Miyamoto Musashi são os três eixos da vida de Fransje, que muda radicalmente quando ele conhece Joe Speedboat - um rapaz extraordinário, que caiu sobre a letárgica Lomark com a força de um meteorito enquanto Fransje estava em coma. 

Antologia Provisória

Autor: Arjen Duinker

Seleção e tradução: Aries Pos

Editora: Confraria do Vento (92 págs., preço a definir)

Um dos principais nomes da poesia holandesa, o autor, como definiu Nuno Júdice, trabalha as palavras a partir de um sentido puro e imediato, numa dispersão de seres, objetos, sombras e presenças que culmina num universo em que tudo tem um lugar preciso. É a primeira antologia de Duinker publicada no País. Confira um dos poemas:

O encontro

Vejo os buracos pela segunda vez.

Os buracos gracejam e me insultam.

Há mais de duas pessoas na rua,

Mais de quatro passados, mais de oito futuros.

Conhece os frutos daqui? As mulheres?

Conhece a ignorância daqui? Os ônibus?

Continuo a olhar para o rapaz de seis anos

Que me oferece alucinações de cola.

Lá Fora, A Guerra

Autora: Janny van der Molen

Ilustrador: Martijn Van Der Linden 

Editora: Rocco (184 págs.; R$ 34,50)

Livro faz um mergulho nos diários e na vida de Anne Frank para contar, para crianças de cerca de 10 anos, como foi a trajetória da garota judia que se escondeu dos nazistas com a família por muito tempo, quando anotava suas impressões da guerra em cadernos, mas que foi presa e acabou morrendo em campo de concentração. A autora divide a trajetória da garota em 10 temas centrais: Brincadeira, Família, Guerra, Normas, Medo, Diário, Sobrevivência, Paixão, Traição e Horror. A obra traz delicadas ilustrações, além de fotos da família Frank.

E mais: Sobrevivente do Holocausto e amiga de Anne Frank, Nanette Blitz Konig lança livro sobre sua história

 

O Arame de Alexandre

Autor: Sieb Posthuma

Tradução: Lucas Simone

Editora: 34 (32 págs.; R$ 32)

Com fios de arame, chapas metálicas e um punhado de cores, Alexander Calder (1898-1976) construiu uma obra que revolucionou a escultura moderna. Com texto e ilustrações do premiado autor holandês Sieb Posthuma, a obra, livremente inspirada em sua vida e seus trabalhos, aproxima o leitor das descobertas desse artista, mostrando que a invenção de novas formas não surge do nada, mas está sempre ligada a um fazer.

Vincent - A História de Vincent Van Gogh (2014)

Autora: Barbara Stok

Tradução: Camila Werner

Editora: L&PM (144 págs.; R$ 29,90)

A ilustradora retrata de forma delicada e luminosa os últimos anos da vida do pintor holandês, passados na França. Em 1888, após uma estadia de dois anos em Paris, o artista se muda para Arles, no sul da França. A luminosidade, os espaços abertos e as paisagens bucólicas da região, além do próprio contato com a natureza, fornecem ao artista a matéria-prima para aquela que é considerada a fase mais rica e revolucionária de sua arte. Se por um lado o ambiente o enche de contentamento e esperança, por outro agravam-se seu desequilíbrio e sua angústia, piorados ainda pela falta de dinheiro e de perspectivas concretas de futuro e pela culpa de ser um fardo para o irmão, Theo, que o sustentava financeiramente.

Veja um vídeo sobre a obra:

Um Fio de Esperança (2010)

Autora: Marjolijn Hof

Editora: WMF Martins Fontes (112 págs.; R$ 28)

O pai de Lili partiu em missão humanitária para um país em guerra. Ela tem muito medo por ele e sempre imagina o pior. Para aumentar as chances de rever o pai vivo, a menina elabora estratagemas de que participam seu ratinho Lulu e sua cachorra Mona. Mas será que isso basta? Os dias passam e o pai de Lili não dá notícias. 

Leia mais sobre o festival: Café Amsterdã reúne escritores holandeses e brasileiros em SP 

Mais conteúdo sobre:
CulturaLiteraturaHolanda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.