Andy Rain/ EFE
Andy Rain/ EFE

Escritora Jokha Alharthi, do Sultanato de Omã, vence prêmio Man Booker International

Pela primeira vez desde sua criação em 2005, premiação reconhece uma autora do Golfo Pérsico. Ela é também a primeira romancista do Sultanato a ser traduzida para o inglês, com o livro 'Celestial Bodies'

Redação, AFP

22 de maio de 2019 | 11h35

A escritora Jokha Alharthi, do Sultanato de Omã, ganhou nesta terça-feira, 21, o prêmio literário Man Booker International em Londres, que premia uma obra traduzida para o inglês, por Celestial Bodies (Corpos Celestes, em tradução livre), um romance classificado como "sutil", "lírico" e " profundo" pelo júri.

Pela primeira vez desde sua criação em 2005, o Man Booker International premia uma autora do Golfo Pérsico. Ela é também a primeira romancista do Sultanato a ser traduzida para o inglês.

Para a presidente do juri, Bettany Hughes, "o livro conquista espíritos e corações ao mesmo tempo".

"Corpos Celestes menciona as forças que nos pressionam e aquelas que nos libertam", acrescentou, elogiando uma tradução "precisa e lírica".

Em seu romance, Jokha Alharthi, de 40 anos, conta a lenta evolução da sociedade de seu país após a era colonial através do amor e da tristeza de três irmãs, que habitam a aldeia de al-Awafi.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.