Público.PT
Público.PT

Escritor Germano Almeida é o vencedor do Prêmio Camões 2018

Autor de Cabo Verde foi escolhido para a maior honraria literária da língua portuguesa

O Estado de S. Paulo

21 de maio de 2018 | 15h07
Atualizado 22 de maio de 2018 | 16h18

O escritor cabo-verdiano Germano Almeida é o vencedor do Prêmio Camões 2018, segundo escolha do júri anunciada nesta segunda-feira, 21, no Hotel Tivoli, em Lisboa.

No Brasil, seu romance O Testamento do Sr. Napumoceno foi publicado pela Companhia das Letras em 1996. O livro foi adaptado para o cinema por Mario Prata, e adaptação levou o Kikito de melhor roteiro no Festival de Gramado em 1997. 

O anúncio foi feito em Lisboa, pelo Ministro da Cultura de Portugal, Luís Filipe Castro Mendes, e pela presidente da Biblioteca Nacional, Helena Severo, após reunião de quase duas horas do corpo de jurados. Almeida é o segundo escritor cabo-verdiano a receber o Prêmio.

Em declarações à Agência Lusa, o escritor afirmou-se “surpreendido”, mas “muito feliz” por constatar que o seu trabalho é apreciado a ponto de receber o galardão maior da língua portuguesa.

“Estou contente, muito feliz por saber que o que escrevo é apreciado ao ponto de me darem um prémio tão prestigiado como o Camões”, disse Germano Almeida.

O júri desta edição foi composto por  Maria João Reynaud, professora jubilada da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Portugal); Manuel Frias Martins, professor jubilado da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (Portugal); Leyla Perrone-Moisés, professora emérita da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (Brasil); José Luís Jobim, professor aposentado da Universidade Federal Fluminense e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Brasil); pelos PALOP, Ana Paula Tavares, poeta e professora de Literaturas Africanas na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (Angola); José Luís Tavares, poeta (Cabo Verde).

+++ Prêmio Jabuti promove mudanças para tentar se manter relevante

O Prêmio Camões de Literatura foi instituído em 1988 com o objetivo de consagrar um autor de língua portuguesa que, pelo conjunto de sua obra, tenha contribuído para o enriquecimento do patrimônio literário e cultural da lusofonia.

Considerado o mais importante prêmio da língua portuguesa, contempla anualmente autores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa - CPLP. O vencedor recebe 100 mil euros.

A primeira vez que um escritor africano venceu o Prêmio foi em 1991, com o poeta moçambicano José Craveirinha. Seis anos mais tarde foi a vez de Pepetela, e Luandino Vieira, em 2006, ambos de Angola – Luandino Vieira recusou recebê-lo.  Em 2009, venceu o poeta cabo-verdiano Arménio Vieira e em 2013 o romancista moçambicano Mia Couto.

+++ Mia Couto diz que Brasil já foi mais feliz e que elites intelectuais discutem o sexo dos anjos

Entre os escritores brasileiros que já receberam o Camões estão Raduan Nassar (2016), Dalton Trevisan (2012) e Antonio Candido (1998).

Germano Almeida

Germano Almeida estudou Direito na Universidade de Lisboa e dedica-se à advocacia na ilha de São Vicente. Foi deputado eleito pelo Movimento para a democracia de Cabo Verde e exerceu o cargo de Procurador-Geral da República de Cabo Verde.

No campo literário foi um dos co-fundadores da revista literária Ponto e Vírgula.

O escritor tem a sua obra publicada em Portugal pela editora Caminho, que acaba de editar o seu mais recente romance, O Fiel Defunto

Estreou como contista no início da década de 80 e o seu primeiro romance, O Testamento do Senhor Napumoceno da Silva Araújo, teve os direitos vendidos para vários países e foi adaptado ao cinema. As suas obras são também editadas no Brasil, França, Espanha, Itália, Alemanha, Suécia, Holanda, Noruega e Dinamarca.

Seus primeiros textos foram assinados com o pseudónimo de Romualdo Cruz. Estes relatos, revistos ou reescritos, juntamente com outros até então inéditos, foram publicados em 1994 sob o título A Ilha Fantástica, a que se juntou a A Família Trago, publicado em 1998, obras que recriam os anos da sua infância e o ambiente social e familiar da Ilha da Boa Vista.

O Meu Poeta (1990), Estórias de Dentro de Casa (1996), A Morte do Meu Poeta (1998) e As Memórias de um Espírito (2001) formam aquilo a que se poderia chamar o ciclo mindelense da obra do autor. Em traços gerais, o primeiro e o segundo título retratam a vida social e política do Mindelo, enquanto as Estórias nos remetem para a esfera do privado e As memórias para a esfera da vida íntima. A ideia de ciclo é reforçada pelo fato de que muitos dos personagens circulam com maior ou menor assiduidade pelas quatro obras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.