Estadão
Estadão

Dica de leitura: As autoras mais vendidas da Flip 2019 livro a livro

Veja também os 30 livros mais vendidos da Flip 2019 - e a lista vai de Grada Kilomba a Luccas Neto

Redação, O Estado de S. Paulo

16 de julho de 2019 | 10h00

A lista de livros mais vendidos da Flip tem uma conexão direta com o encantamento que seu autor ou autora desperta na plateia do festival literário e com o burburinho em torno do que disse ou de seu carisma. Em 2019, Grada Kilomba, escritora e artista portuguesa com raízes em Angola e em São Tomé, foi a autora mais vendida na loja que a Livraria da Travessa monta na Flip com seu livro Memórias da Plantação - Episódios de Racismo Cotidiano.

Temas como os que ela trata em sua obra, além que questões identitárias, de gênero e políticas dominaram a lista de livros mais vendidos da Flip 2019.

A cearense Jarid Arraes aparece no ranking com dois livros. Djamila Ribeiro, que fez sucesso na Flip passada e este ano não participou da programação oficial, também emplacou um livro na lista.

Conheça, a seguir, os livros escritos por mulheres que foram destaque nesta edição do evento, realizada entre 10 e 14 de julho, em Paraty, e abaixo, os 30 livros mais vendidos da Flip 2019 - tem até Luccas Neto, o youtuber, que não estava na festa.

 

Livros escritos por mulheres em destaque na Flip

Memórias da Plantação - Episódios de Racismo Cotidiano

Autora: Grada Kilomba

Tradução: Jess Oliveira

Editora: Cobogó (249 págs.; R$ 48)

Obra compila episódios cotidianos de racismo escritos sob a forma de pequenas histórias psicanalíticas. Das políticas de espaço e exclusão às políticas do corpo e do cabelo, passando pelos insultos raciais, Grada Kilomba desmonta a normalidade do racismo, expondo a violência e o trauma de se ser colocada/o como outra/o. Trata-se de uma obra interdisciplinar que combina teoria pós-colonial, estudos da branquitude, psicanálise, estudos de gênero, feminismo negro e narrativa poética.

Grada Kilomba nasceu em Lisboa, em 1968.

Fique Comigo

Autora: Ayobami Adebayo

Tradução: Marina Vargas

Editora: HarperCollins Brasil (240 págs.; R$ 39,90)

Romance de estreia da autora, Fique Comigo é ambientado na Nigéria e dá voz a marido e esposa enquanto eles contam a história de seu casamento - e as forças que ameaçam destruí-lo. Yejide e Akin se apaixonaram na faculdade e logo se casaram. Apesar de muitos terem esperado que Akin tivesse várias esposas, ele e Yejide sempre concordaram que o marido não seria poligâmico. Porém, após quatro anos de casamento, e de se consultar com médicos especialistas em fertilidade e curandeiros, tomar chás estranhos e buscar outras curas improváveis, Yejide não consegue engravidar. Ela está certa de que ainda há tempo, mas então a família do marido aparece na sua casa com uma jovem moça que eles apresentam como a segunda esposa de Akin. O romance não apenas debate as questões familiares da sociedade nigeriana, como também demonstra com realismo as mazelas e as dificuldades políticas enfrentadas pela população desse país nos anos 1980. 

Ayobami Adebayo nasceu em Lagos, na Nigéria, em 1988.

Sobre o Autoritarismo Brasileiro

Autora: Lilia Moritz Schwarcz

Editora: Companhia das Letras (288 págs.; R$ 49,90)

A autora reconstitui, em Sobre o Autoritarismo Brasileiro, a construção de uma narrativa oficial (o brasileiro é tolerante, aberto, pacífico, acolhedor, etc.), que acabou por obscurecer uma realidade marcada pela herança perversa da escravidão e pelas lógicas de dominação do sistema colonial. Ao investigar esses subterrâneos da história do país, e suas permanências no presente, a historiadora e antropóloga deixa expostas as raízes do autoritarismo no Brasil.

Lilia Moritz Schwarcz nasceu em São Paulo, em 1957.

Uma Noite Markovitch

Autora: Ayelet Gundar-Goshen

Tradução: Paulo Geiger

Editora: Todavia (400 pág.; R$ 64,90)

Às vésperas da Segunda Guerra, um grupo de jovens vai da Palestina à Europa. Lá, jovens judias que nunca conheceram os esperam. O objetivo: casamentos fictícios com os quais as meninas poderão escapar da Europa sob Hitler e alcançar a futura pátria judaica, então sob o domínio britânico. Dois dos jovens são amigos íntimos, mas muito diferentes. Zeev Feinberg, um sujeito alto e musculoso, acostumado a ter mulheres a seus pés. O outro, Iaakov Markovitch, é um cara monótono e sem carisma. No entanto, é Markovitch quem fica com a mulher mais bonita, e, quando eles alcançam Israel, ele se recusa a se divorciar, com a esperança de que ela o amará algum dia.

Ayelet Gundar-Goshen nasceu em Israel, em 1981, e Uma Noite Markovitch é seu romance de estreia.

Maternidade: Um Romance

Autora: Sheila Heti

Tradução: Julia Debasse

Editora: Companhia das Letras (312 págs.; R$ 59,90)

Em Maternidade, a autora reflete sobre os ganhos e as perdas para uma mulher que decide se tornar mãe, tratando a decisão que mais traz consequências na vida adulta com franqueza, originalidade e humor. Ao se aproximar dos 40, a narradora questiona se aquela é uma experiência que ela quer ter. A narrativa se estende ao longo de muitos anos e é moldada a partir de conversas com seus pares e seu parceiro e de sua relação com os pais.

Sheila Heti nasceu em Toronto, Canadá, em 1976.

Lugar de Fala

Autora: Djamila Ribeiro

Editora: Pólen (128 págs.; R$ 19,90)

Com o objetivo de desmistificar o conceito de lugar de fala, a filósofa, feminista e ativista contextualiza o indivíduo tido como universal numa sociedade cisheteropatriarcal eurocentrada, para que seja possível identificarmos as diversas vivências específicas e, assim, diferenciar os discursos de acordo com a posição social de onde se fala.

Djamila Ribeiro nasceu em Santos, em 1980

Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis

Autora: Jarid Arraes

Editora: Pólen (176 pág.; R$ 35)

Eva Maria do Bonsucesso, mulher negra no século 19 que se envolveu em uma briga com um homem branco e dono de escravos, Maria Firmina dos Reis, autora do primeiro abolicionista brasileiro, e Teresa de Benguela, rainha do quilombo do Quariterê, no Mato Grosso, são algumas das personagens da cearense Jarid Arraes neste livro que reúne o perfil dessas brasileiras no formato de literatura de cordel.

Jarid Arraes nasceu em Juazeiro do Norte, em 1991. 

Cat Person e Outros Contos

Autora: Kristen Roupenian

Tradução: Ana Guadalupe

Editora: Companhia das Letras (256 págs.; R$ 44,90)

Cat Person, conto que dá nome ao livro, viralizou depois de ter sido publicado na New Yorker. Ele narra o desastroso encontro entre um homem e uma mulher que se conheceram na internet e seu inesperado desfecho. A coletânea traz 12 contos, com tom ora sombrio, ora hilariante, que apresentam uma galeria de personagens profundamente humanos e estranhamente inquietantes, que buscam se relacionar em dias marcados por angústias, contradições, perversões e uma dificuldade intransponível de comunicação.

Kristen Roupenian nasceu nos Estados Unidos, em 1981.

Redemoinho em Dia Quente

Autora: Jarid Arraes

Editora: Alfaguara (152 págs.; R$ 39,90)

Estreia na poeta cordelista nos contos, o livro mostra mulheres de idades e personalidades diversas fazendo coisas inesperadas. Entre suas personagens estão uma beata que toma um alucinógeno e vê Padre Cícero, uma mototaxista em seu primeiro dia de trabalho, meninas, jovens, idosas lésbicas, uma mulher trans e muitas outra. Redemoinho em Dia Quente faz um retrato do sertão do Cariri pelo olhar dessas mulheres, e marca as pazes de Jarid com sua terra natal.

Jarid Arraes nasceu em Juazeiro do Norte, em 1991.

O Corpo Dela e Outras Farras

Autora: Carmen Maria Machado

Tradução: Gabriel Brum

Editora: Planeta Monotauro (240 págs.; R$ 55,90)

Uma esposa se recusa a remover a fita verde de seu pescoço mesmo após súplicas de seu marido. Uma mulher relata seus encontros sexuais lentamente, como uma praga que consome a humanidade. Uma vendedora descobre algo terrível dentro das costuras dos vestidos de festa de uma loja. Uma cirurgia de redução de peso resulta em um hospedeiro indesejado. Ao mesmo tempo antiquado e sexy, estranho e mordaz, cômico e extremamente sério, o livro O Corpo Dela e Outras Farras alterna uma violência brutal e o sentimento mais rebuscado. Realismo, ficção científica, comédia, horror, fantasia e fábula - há tudo nesta coletânea.

Carmen Maria Machado nasceu em Allentown, nos Estados Unidos, em 1983.

Paletó e Eu: Memórias do Meu Pai Indígena

Autora: Aparecida Vilaça

Editora: Todavia (200 págs.; R$ 49,90)

Paletó morreu aos 85 anos, depois de ter vivido por décadas na floresta em meio aos Wari’. Desde 1986, a antropóloga Aparecida Vilaça tem vivido longos períodos entre eles e, aos poucos, construiu com Paletó uma relação de pai e filha. Este é um livro raro, em que erudição e emoção convivem em doses generosas.

Aparecida Vilaça nasceu no Rio de Janeiro

 

Os 30 livros mais vendidos na Flip 2019

1. Memórias da Plantação - Episódios de Racismo Cotidiano, de Grada Kilomba (Cobogó)

2. Fique Comigo, Ayobami Adebayo (HarperCollins)

3. Ideias Para Adiar o Fim do Mundo, de Ailton Krenak (Companhia das Letras)

4. Sobre o Autoritarismo Brasileiro, de Lilia Moritz Schwarcz (Companhia das Letras)

5. Também os Brancos Sabem Dançar, de Kalaf Epalanga (Todavia)

6. Meu Pequeno País, de Gael Faye (Rádio Londres)

7. Uma Noite Markovitch, de Ayelet Gundar-Goshen (Todavia)

8. Maternidade, de Sheila Heti (Companhia das Letras)

9. O Oráculo da Noite: A História e a Ciência do Sonho, de Sidarta Ribeiro (Companhia das Letras)

10. Lugar de Fala, de Djamila Ribeiro (Polen)

11. Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis, de Jarid Arraes (Polen)

12. Cat Person e Outros Contos, de Kristen Roupenian (Companhia das Letras)

13. Redemoinho em Dia Quente, de Jarid Arraes (Alfaguara)

14. O Corpo Dela e Outras Farras, de Carmen Maria Machado (Planeta)

15. A Terra Inabitável: Uma História do Futuro, de David Wallace Wells (Companhia das Letras)

16. Paletó e Eu: Memórias do Meu Pai Indígena, de Aparecida Villaça (Todavia)

17. Noite em Caracas, de Karina Sainz Borgo (Intrínseca)

18. Os Sertões, de Euclides da Cunha (Penguin/Companhia das Letras)

19. A Maquinação do Mundo: Drummond e a Mineração, de José Miguel Wisnik (Companhia das Letras)

20. Não Há Tempo a Perder, de Amyr Klink (Tordesilhas)

21. Forças Armadas e Política no Brasil, de José Murilo de Carvalho (Todavia)

22. As Mulheres de Tijucopapo, de Marilene Felinto (Edição do Autor)

23. Olhos D’Água, de Conceição Evaristo (Pallas)

24. As Coisas Que Perdemos no Fogo, de Mariana Enriquez (Intrínseca)

25. Para Educar Crianças Feministas: Um Manifesto, de Chimamanda Ngozi Adichie (Companhia das Letras)

26. Os Sertões - Edição Crítica, de Euclides da Cunha (Ubu)

27. Cumbe, de Marcelo D’Salete (Veneta)

28. Sobre Lutas e Lágrimas: Uma Biografia de 2018, de Mario Magalhães (Record)

29. O Pecado Original da República - Personagens e Eventos Para Compreender o Brasil, de José Murilo de Carvalho (Bazar do Tempo)

30. Brincando com Luccas Neto, de Luccas Neto (Pixel)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.