Ray van der Bas/ via Reuters
Ray van der Bas/ via Reuters

Diário de Anne Frank em 2020: videoblogues do esconderijo fazem sucesso

Os clipes de 5 a 10 minutos foram vistos mais de 1,5 milhão de vezes no YouTube, informou o Museu Casa de Anne Frank

Stephanie van den Berg, Reuters

16 de abril de 2020 | 15h02

HAIA - Uma série de diários em vídeo baseados nos escritos da adolescente judia Anne Frank durante os anos em que ficou escondida dos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial se tornou um sucesso entre jovens, informou o Museu Casa de Anne Frank nesta quinta-feira.



O museu, que criou os vlogs para comemorar 75 anos desde o final da guerra na Holanda no mês que vem, disse que os clipes de 5 a 10 minutos foram vistos mais de 1,5 milhão de vezes no YouTube.

Anne, que morreu de febre tifoide no campo de concentração de Bergen Belsen em 1945, com 15 anos, é interpretada pela atriz Luna Cruz Perez, que tem uma semelhança impressionante com a adolescente.

Ela fala com a câmera sobre a vida, inseguranças e experiências da adolescente com base em trechos de cartas e anotações do diário. “Vamos nos esconder amanhã, e estou com medo”, ela diz à câmera com lágrimas nos olhos.

 


No primeiro episódio, Anne mostra sua família e amigos e explica como a vida mudou desde que a Alemanha nazista invadiu a Holanda e a família foi forçada a entrar no sótão de uma casa ao longo de um dos canais de Amsterdã.

Os espectadores que estão isolados durante a pandemia de covid-19 podem imaginar mais facilmente como deve ser ficar dentro de casa por longos períodos, disse Annemarie Bekker, da Casa de Anne Frank, descrevendo seu apelo a uma nova geração.

“Isso dará a vocês uma compreensão melhor de certos trechos do diário”, afirmou Bekker.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.