Reprodução
Reprodução

Décio Pignatari é homenageado com exposição em São Paulo

Até o dia 25 de outubro, o público poderá conferir seus poemas, datiloscritos, áudios e correspondências, entre outros itens

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

20 de agosto de 2015 | 10h53

O baú de Décio Pignatari (1927-2012) foi aberto. Com a supervisão de seu filho Dante, seu espólio está sendo catalogado e digitalizado. Parte desse acervo poderá ser vista até o dia 25 de outubro na exposição Arquivo Décio Pignatari: Um Lance de Dados, no Centro Cultural São Paulo. A abertura, hoje, 20, coincide com a data de nascimento do intelectual. 

Com curadoria de Maria Adelaide Pontes e Marcio Harum e organização da Ateliê Editorial, a mostra apresentará livros, datiloscritos, áudios, partituras, correspondências, entre outros itens que ajudam a contextualizar a obra poética e teórica do autor de livros como Teoria da Poesia Concreta – Textos Críticos e Manifestos (1950-1960), que escreveu com Haroldo e Augusto de Campos, com quem fundaria o Concretismo. Escreveu, ainda, Semiótica e Literatura, O Que é Comunicação Poética, Contracomunicação e o infantil Bili Com Limão Verde na Mão, entre outros.

A exposição pretende mostrar as diferentes facetas de Pignatari, que foi ensaísta, semioticista, tradutor e professor. Na mostra, será possível conhecer algumas das referências do homenageado, como Stéphane Mallarmé, Ezra Pound e Oswald de Andrade. Num computador, o visitante poderá ter acesso ao material já catalogado e seus livros estarão lá para serem manuseados.

Também estão sendo organizados debates acerca da obra de Décio Pignatari. Na próxima quinta-feira, 27, às 19 horas, Signatari: do verbal ao não verbal reunirá Augusto de Campos, Tadeu Jungle e Walter Silveira. Dante Pignatari será o mediador. Na sexta, 28, às 19 horas, Claudio Ferlauto fará a palestra Décio Pignatari e o Memorial da Cultura - IDART.

Arquivo Décio Pignatari: Um Lance de Dados

Centro Cultural São Paulo. Rua Vergueiro, 1000 (Sala Tarsila do Amaral). 3.ª a 6.ª, das 10 h às 20 h; sábados, domingos e feriados, das 10 h às 18 h. Informações: 3397-4002. Abertura: quarta (20). Até 25/10

Leia também:

Décio Pignatari por Augusto de Campos

O gênio e o perdão - a grandeza poética de um mestre, por Lucia Santaella

Os inéditos de Décio Pignatari

A televisão concreta, por Eugenio Bucci

TV Estadão: O legado de Décio Pignatari

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.