Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

De desfralde a ioga: livros ajudam pais a darem apoio emocional aos filhos

Literatura infantil auxilia crianças a mudar hábitos em meio à pandemia do novo coronavírus

Camila Tuchlinski, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2021 | 10h00

A gente praticamente não reflete como alguns hábitos da infância podem nos influenciar na fase adulta. Um simples desfralde, o descarte da chupeta ou a forma como encaramos a raiva e a frustração quando crianças mudam a maneira como reagimos às emoções ao longo da nossa vida. E com a correria do dia a dia, que não parou mesmo com a pandemia do novo coronavírus, muitos pais se sentem desamparados para lidar com diversas situações com os filhos. A literatura infantil é uma das ferramentas lúdicas mais assertivas para conquistar os pequeninos. A Editora Edipro lança a Coleção Crescidinhos, pelo selo Caminho Suave, com quatro livros que pretendem aprimorar a inteligência emocional das crianças

“Se o seu dia está horrível e você sente que o seu coração começou a apertar e doer, pare e respire fundo”, diz o trecho de A Mágica da Respiração, de Christopher Willard e Wendy O’Leary, ao mostrar a ilustração de uma menina triste por ter quebrado um brinquedo. Em outro momento, o livro acolhe aqueles que se sentem isolados de um grupo: “Se você se sente estranho e solitário e seu peito começa a apertar e sufocar, pare e respire fundo”. 

Quando fechamos os olhos, inspiramos e expiramos o ar, uma sensação de relaxamento ocorre dentro de nós. O exercício também é fundamental na prática de ioga. “Pratico desde 2012. Tenho dois filhos, a Gabriela, de 11 anos, e o Miguel, de 7. A Gabi começou a fazer ioga aos 4 anos. Já o Miguel nasceu nesse universo e vem nos acompanhando desde bebezinho. Eles adoram e sentem muito quando não conseguem praticar”, conta a professora formada pela Escola de Yoga Shanti Om, Débora Molon.  


A experiência com os filhos a inspirou a escrever O Pequeno Yogue. A obra traz exercícios da prática milenar e explica os inúmeros benefícios, já que as posturas que envolvem o equilíbrio ajudam a aumentar a concentração, influenciam no comportamento físico e mental. “A prática da ioga por crianças de todas as idades pode ser muito acessível, fácil, divertida e saudável. No livro, lançamos mão de posturas simples e bem ilustradas para que crianças possam desenvolver a prática e assim sentir os benefícios da ioga na sua vida”, enfatiza Molon.


Ao contrário do que muitos pensam, a ioga é uma prática simples e que crianças de todas as idades podem fazer. “Desde bem pequenininhas elas já podem ser inseridas, estimuladas a prática através de histórias, brincadeiras, músicas, livros. Quanto mais cedo eles entrarem na prática, mais benefícios serão colhidos para o desenvolvimento de mente, corpo e espírito”, avalia a autora. Em tempos de pandemia, a atividade também proporciona relaxamento. “Alivia o estresse, ensina a amorosidade com elas mesmas e com o próximo. Também promove autoconhecimento, observação dos seus limites, movimenta o corpo, que é muito bom para imunidade nesse momento. Além de tirar as crianças da frente do celular e da televisão, convidando-as a viajar ao universo lúdico e divertido”, conclui Molon.

Outras situações do universo infantil e que são pouco abordadas, mas fazem a diferença no controle emocional são o desfralde e o uso de chupeta. Maíra Lot Micales sempre inventou histórias para contar para as crianças à noite e procurava colocar nelas alguma lição ou situação que precisavam aprender ou melhorar. “Meu filho estava com muita dificuldade no desfralde, com escapes constantes do xixi. Então inventei uma história onde o Xixi, o Cocô e o Pum eram os personagens principais. Eles amaram a história e me pediam para repetir toda noite, inclusive minha filha mais velha, que já não usava fraldas, amava a história também. Comecei a contar até para os amiguinhos. Depois de uns dias, meu filho parou de fazer xixi na fralda e pediu para usar o penico. Então percebi que tinha alguma coisa na mão. Submeti a história para três editores”, afirma. Assim surgiu o título Cocô, Xixi e Pum


Em Cocô, Xixi e Pum, Maíra aborda, de maneira leve e divertida, assuntos que muitas vezes constrangem os adultos, que podem ter sofrido certa repressão no momento do desfralde na infância. “Ainda escuto alguém falando: ‘Que isso, menino, falando de cocô’. Mas quando escuto as crianças, estão sempre rindo disso. Perguntam uma para a outra: ‘Que livro você está lendo?’. E respondem: ‘Cocô, Xixi e Pum’. Todas caem na gargalhada. A vida deve ser levada realmente com mais leveza e menos repressão. Ao invés de reprimir, vamos conhecer a criança: quem é aquele serzinho que está na nossa frente. Vamos respeitá-lo, assim ele respeitará os demais”, enfatiza a autora, provando que a literatura infantil cada vez mais contribui para o desenvolvimento emocional dos futuros adultos.

Após o retorno positivo dos leitores, Maíra decidiu manter a escrita lúdica em Careta pra Chupeta!, que acaba de ser lançado. A chupeta cumpre um papel relevante na vida das crianças na primeira infância, na medida que, em alguns casos, serve como um consolo afetivo. “No livro sempre trato a chupeta com carinho. Tem uma cena em que o personagem pega a chupeta chamando-a de queridinha, respira, sorri e agradece, para então guardar ela na caixinha. Também no guia que tem ao final do livro escrito pelo odontopediatra, ele também reitera que o uso da chupeta é interessante, apenas o uso prolongado é que pode trazer alguns malefícios para a saúde, então, os pais precisam ficar atentos para não prolongar o uso e tirá-la com carinho da vida da criança”, explica Micales.


Sobre a inteligência emocional das crianças em meio a pandemia do novo coronavírus, a escritora Maíra Lot Micales dá algumas dicas como desligar o celular e brincar mais com os filhos, seja com papel e caneta, pega-pega ou esconde-esconde. “Brinquem muito, leiam livros, ensinem os pequenos a meditar, a agradecer o canto do passarinho ou a flor que veem da janela. Outro dia a professora do meu filho perguntou como as crianças estavam se sentindo na pandemia. Ele disse, com linguagem ainda em construção: ‘Eu estou me sentindo muito bem, meus pais estão aqui em casa, assim brinco mais com eles’. Presença e diversão são bons caminhos para aliviar este momento desafiador”, avalia. Maíra Lot Micales adianta que adquiriu os direitos do clássico americano The Invisible String, que sairá nos próximos meses pela editora Caminho Suave no selo Crescidinhos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.