Cody O'Loughlin/The New York Times
Cody O'Loughlin/The New York Times

Dan Brown vai criar obras infantis?

Autor de ‘O Código da Vinci’ volta a atenção para crianças com ‘Wild Symphony’, misto de álbum musical e livro ilustrado

Alexandra Alter, THE NEW YORK TIMES

29 de fevereiro de 2020 | 07h00

Antes de se tornar escritor best-seller, Dan Brown queria ser músico. Em 1989, produziu sozinho um álbum de música infantil que ele próprio compôs em sintetizadores, intitulado Musica Animalia. Lançado originalmente para apoiar a instituição de caridade Families First Health and Support Center, em New Hampshire, o disco vendeu cerca de 500 cópias, e Brown logo desistiu. 

Dan Brown teve mais sorte como romancista, com sucessos como O Código Da Vinci, O Símbolo Perdido e outros thrillers que, juntos, venderam mais de 220 milhões de cópias.

Agora, três décadas depois, Brown está revivendo sua carreira musical com um híbrido de álbum infantil e livro ilustrado que nasceu da música e dos poemas que ele escreveu para Musica Animalia.



O livro, Wild Symphony (algo como Sinfonia Silvestre), que a Rodale Kids planeja lançar em setembro, é voltado para crianças de 3 a 7 anos. A história mostra um maestro camundongo que sai recrutando outros animais para tocar em sua orquestra, espalhando em sua jornada sabedoria sobre o valor da paciência, da bondade e do respeito. 

Os leitores podem ouvir os acompanhamentos musicais de cada página com um aplicativo para smartphone que usa realidade aumentada para escanear os desenhos e tocar a música do Canguru Saltitante, da Bela Baleia e do Maravilhoso Morcego

Brown disse que a história e a música foram inspiradas em obras clássicas como Pedro e o Lobo e O Carnaval dos Animais. Ele também está lançando simultaneamente um álbum com as músicas que compôs, executadas pela Orquestra do Festival de Zagreb, da Croácia.

Embora seja um tanto surpreendente que Brown - conhecido por seus romances de suspense cheios de adrenalina e, às vezes, sangrentos - esteja escrevendo para o público pré-escolar, Wild Symphony traz algumas de suas características. Seguindo o famoso estilo de Brown, há pistas e quebra-cabeças espalhados por todo o livro; os leitores mais atentos encontrarão letras do alfabeto flutuando nas ilustrações de baleias azuis, guepardos, cangurus e peixes tropicais. (Quando colocadas na ordem correta, as letras compõem anagramas que formam o nome de um instrumento musical.)

Brown esteve intimamente envolvido no processo, desde a escolha da ilustradora, Susan Batori, até a supervisão do desenvolvimento do aplicativo, disse Mallory Loehr, vice-presidente e editora da Random House Books para jovens leitores. Ele viajou até a Croácia para trabalhar na gravação com a orquestra de Zagreb.

Faz muito tempo que a música é um dos meios de expressão favoritos de Brown. Quando criança, ele tocava piano para se divertir (seus pais proibiam TV em casa). Depois da faculdade, tentou viver como músico. Chegou a fundar sua própria gravadora, a Dalliance. Tempos depois, ele se mudou para Los Angeles, para se tornar cantor, compositor e pianista, e ingressou na Academia Nacional de Compositores. Ele ainda toca piano quase todos os dias.

Brown não estava planejando retornar publicamente a suas raízes musicais. O projeto surgiu em 2018, quando seu amigo Bob Lord, executivo-chefe da Parma Recordings, redescobriu seu velho álbum perdido e perguntou se Brown não queria ver sua música tocada por uma orquestra. 

Também autor de sucessos como Inferno e Ponto de Impacto, Brown entregou o texto e uma gravação de Musica Animalia para seu agente literário, propondo que fizessem o livro e o álbum juntos. Para deixar o enredo mais coeso, Brown escreveu mais alguns poemas e peças musicais e acrescentou o personagem do camundongo, para guiar o leitor e dar um arco à história. A música orquestral foi gravada pela Parma Recordings e está sendo distribuída pela editora de música clássica Boosey & Hawkes.

Wild Symphony será o maior lançamento musical de Brown até hoje: a Rodale está imprimindo 150 mil cópias do livro e os direitos foram vendidos em 27 países.

TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.