Cosac Naify vai funcionar até o fim de dezembro

Vendas continuam no site até acabarem os estoques, de acordo com um comunicado da editora

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

03 de dezembro de 2015 | 13h53

A editora Cosac Naify - que, conforme antecipou o Estadão, vai fechar as portas - anunciou que dezembro é mesmo o seu mês final de operações. Em um comunicado divulgado nesta quarta-feira, 2, a editora disse que não vai definir uma data, porém deve encerrar as atividades até o fim do mês.

A participação da Cosac na Festa do Livro da USP está mantida (a Feira ocorre entre os dias 9 e 11 de dezembro, e oferece desconto mínimo de 50% em todos os livros de mais de 150 editoras). As vendas pelo site também continuam até o fim do estoque.

De acordo com o comunicado, a editora entrará em contato com os autores e colaboradores da casa para os acertos pendentes, e a comunicação com os leitores continua por meio das redes sociais. A nota ainda informa que a editora não dará mais entrevistas.

O proprietário Charles Cosac também publicou uma carta no blog da editora. "Ao me​u​ ver, uma editora deve existir exclusivamente para alimentar um projeto cultural e quando eu senti o projeto Cosac Naify ameaçado, eu julguei que seria o momento correto para cessarmos nossas atividades", escreveu.

Sobre os motivos para fechar a editora, Cosac disse ao Estado na segunda-feira, 30: “Só o meu desejo de que ela existisse não justificaria a manutenção da editora, cujos projetos culturais se encontram ameaçados neste momento”.

Leia a carta que Charles Cosac publicou no blog da editora:

"Meus Queridos Amigos,

Eu gostaria muitíssimo de agradecer ​a​ todos as tantas manifestações de solidariedade acerca do fim das atividades da Cosac Naify, quase dezenove anos depois. Eu fico, em verdade, comovido quando constato que nossas iniciativas não foram em vão e essa certeza somente os senhores, leitores e amigos dessa editora, podem me dar. Muito obrigado.

Ao me​u​ ver, uma editora deve existir exclusivamente para alimentar um projeto cultural e quando eu senti o projeto Cosac Naify ameaçado, eu julguei que seria o momento correto para cessarmos nossas atividades. Como o fiz​.​ Dessa maneira, eu perpetuo um sonho belíssimo do qual tantos participaram e ajudar​am​ a construir.

Eu sinto que tenho uma dívida enorme para com todos os senhores que lerem essa carta e, inclusive, para com minha própria editora através da qual eu os conheci e os senhores me conheceram também. Foi ótimo trabalhar na Cosac Naify todos esses anos e eu não poderia pensar em momentos mais felizes. Eu amo e agradeço igualmente à cidade de São Paulo, que me recebeu de braços abertos desde que a adotei como lar, há quase vinte anos.

Por fim, eu peço que saibam, que além de gratidão eu senti muito orgulho, prazer e alegria de trabalhar para os senhores todos esses anos.

Com sinceridade, o afeto e a paz que sempre luto para ter em mim.

Charles"

Tudo o que sabemos sobre:
LiteraturaMercado editorial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.