Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Cosac Naify e MIS de São Paulo fecham doação de 9 mil livros

Entidade estadual vai encaminhar um kit com exemplares para 125 cidades do interior, participantes do programa Pontos MIS

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

29 Dezembro 2016 | 19h03

A Cosac Naify e o Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS) fecharam uma parceria para a doação de 9,6 mil livros – os exemplares serão distribuídos nos Pontos MIS do interior do estado, uma série de cidades pequenas que recebem apoio do museu para iniciativas culturais. O acordo foi estabelecido antes de a Cosac vender o estoque remanescente para a Amazon, conforme anunciado na metade de dezembro. Os livros doados vão desde literatura clássica (Odisseia e Decameron, e outros) até livros de fotografia, cinema e história da arte.

A ideia partiu do diretor executivo do MIS, e agora novo secretário municipal de Cultura de São Paulo, André Sturm. “A Cosac foi com certeza uma editora única, nenhuma outra fez livros com a mesma qualidade.” A iniciativa surgiu em setembro, quando apareceu a notícia de que os livros poderiam ser picotados, após o encerramento das atividades da empresa. Essa foi a única grande doação de que se tem registro na situação toda – Sturm afirma que o MIS foi atrás e criou as condições necessárias para que a “transação” fosse possível. 

O material será separado em kits e enviado para as 125 cidades que fazem parte do programa Pontos MIS. Segundo o Museu, 50% delas têm menos de 50 mil habitantes. O programa busca fornecer opções culturais, como cinema, oficinas audiovisuais, eventos de dramaturgia e, em alguns casos, bibliotecas. “Esse é um dos projetos de que eu tenho mais orgulho de estar envolvido e colocado para funcionar”, diz Sturm. Criado em 2011, o programa já teve mais de 20 mil sessões de cinema.

Sturm também comentou rapidamente o trabalho de transição entre as gestões da secretaria de Cultura, trabalho em que está mais envolvido no momento. “O pessoal (da gestão atual) está sendo muito gentil”, disse.

A Amazon acertou a compra do estoque remanescente da Cosac Naify, cerca de 230 mil exemplares, praticamente encerrando o problema que a editora tinha sobre a destinação final dos livros restantes desde que anunciou seu fechamento em novembro de 2015. A próxima fase da editora diz respeito à prestação de contas de direitos autorais do segundo semestre de 2016 e outras obrigações fiscais da empresa, que mantém um escritório no bairro de Santa Cecília com seis funcionários. A diretoria diz estar tranquila com os rumos finais do encerramento do negócio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.