Warner Bros
Warner Bros

'Contos Inacabados' de Tolkien mostram como sua obra póstuma ilumina seus principais livros

Histórias esboçadas pelo autor de 'O Senhor dos Anéis' receberam edição do filho, Christopher Tolkien, e oferecem panorama da Terra-média para leitores que desejam se aprofundar na mitologia

André Cáceres, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2020 | 10h00

Embora o escritor britânico J.R.R. Tolkien tenha testemunhado o próprio sucesso, especialmente após a publicação de O Senhor dos Anéis, entre 1954 e 1955, sua obra póstuma cresceu ao ponto de hoje ser tão relevante quanto o que ele lançou em vida. Com exceção de textos acadêmicos, poéticos e tradutórios esparsos, Tolkien publicou seus livros ao longo de três décadas. Abrangendo 41 anos, a obra póstuma não apenas é mais longeva, mas também é uma fascinante porta de entrada para o universo da Terra-média. Isso é o que demonstram os Contos Inacabados de Númenor e da Terra-média, o mais recente lançamento do autor publicado pela editora HarperCollins, parte do projeto de reedição de Tolkien no Brasil.

Ao mesmo tempo metódico e desorganizado, o autor escreveu e reescreveu os mesmos textos por toda a vida, e não chegou a concluir grande parte deles. Como o título entrega, Contos Inacabados traz alguns desses trabalhos inconclusos, sob a cuidadosa edição de seu filho, Christopher Tolkien, que se encarregou de conferir o maior grau de polimento possível a escritos de épocas muito distintas. A Queda de Gondolin, por exemplo, começou a ser redigido em 1917, enquanto a História de Galadriel e Celeborn foi seu último trabalho, em 1973.

Tolkien tinha uma visão totalizante de sua obra, e nenhum livro é tão abrangente em relação ao universo fictício idealizado por ele quanto esses Contos Inacabados. Também nenhum outro escrito denota tão claramente o caráter de “work in progress” de sua literatura como esse. A Terra-média teve três eras de acordo com seus textos, e as histórias aí reunidas perpassam todas, dando vislumbres ao leitor a respeito das três eras com níveis diferentes de acabamento.

A terceira era é a época que se encerra com a aventura O Hobbit e o épico O Senhor dos Anéis, narrando a luta de Frodo, Gandalf, Aragorn e companhia para salvar a Terra-média da corrupção de Sauron. A história é bem conhecida e o texto, definitivo. A primeira era compreende toda a extensão de O Silmarillion, compêndio de lendas lançado postumamente em 1977 que narra o exílio dos elfos da terra divina de Valinor e sua luta contra o maligno Morgoth. Menos conhecido — e menos polido — que seus principais sucessos, mas ainda assim um texto relativamente bem estabelecido.

Já a segunda era, que será tema de uma série atualmente em produção pela Amazon, é a menos conhecida e a que conta com mais lacunas. Ela narra os eventos entre a queda de Morgoth e a ascensão de seu discípulo, Sauron. Nos Contos Inacabados, essa é a parte menos definitiva dos escritos — e, talvez por isso, a mais instigante, por obrigar o leitor a imaginar e preencher as lacunas.

A História de Galadriel e Celeborn, por exemplo, já começa com um mea culpa de Christopher: “Não há nenhuma parte da história da Terra-média mais repleta de problemas que a história de Galadriel e Celeborn, e deve-se admitir que há graves inconsistências”. A elfa Galadriel, afinal, é uma das poucas personagens que atravessam as três eras, tendo papel relevante em O Senhor dos Anéis e sendo a mais nuanceada personagem feminina de Tolkien. É, no entanto, a história de Númenor que mais traz elementos interessantes ao leitor que busca desvendar mais sobre esse universo.

O Silmarillion e, por consequência, a primeira era, se encerra com uma intervenção divina em favor dos elfos contra Morgoth, resultando em uma grande inundação que submerge o continente de Beleriand, a oeste da Terra-média, onde se passa a maior parte das histórias antigas. Desse desastre, surge a ilha de Númenor, para onde se dirigem alguns humanos que lá estabelecem o mais grandioso reino já registrado, na segunda era. Em Aldarion e Erendis, Tolkien desenvolve um de seus temas mais recorrentes: como a ambição traz consigo a semente do mal.

Aldarion é o herdeiro do rei da ilha, casado com a bela Erendis, mas verdadeiramente apaixonado pelo mar e suas aventuras. Ele passa o conto todo — pelo menos a parte que de fato foi escrita, já que o final pretendido da trama é narrado resumidamente por Christopher a partir de esboços do pai — sendo julgado por suas escolhas, até que o leitor descobre que ele estava lutando contra o avanço inicial de Sauron no leste da Terra-média. Se suas motivações acabam sendo justificadas, sua incapacidade de resistir ao chamado do mar vai desaguar na ganância que tomaria os reis posteriores de Númenor, que se tornam imperialistas navais (como a Inglaterra de Tolkien), assaltando as praias da Terra-média e dominando outros povos, traindo a confiança dos elfos e até renegando os deuses, maculando para sempre a raça humana, que nunca mais seria tão bela e longeva quanto nos dias antigos.

Tolkien, cristão convicto, sempre transmite uma ideia de decadência constante da humanidade, e a segunda era de seu universo é fundamental para compreender a degeneração das lendas repletas das presenças divinas de O Silmarillion para um mundo mais naturalista e quase desassistido pelos deuses de O Senhor dos Anéis — algo que corrobora essa visão de mundo presente em todo o seu trabalho.

Um dos contos mais curiosos para os leitores menos versados nos meandros da Terra-média é A Demanda de Erebor. Nesse texto, supostamente escrito por Frodo, o mago Gandalf narra os eventos que o levaram a recrutar Bilbo Bolseiro e onze anões para roubar o tesouro do dragão Smaug, dando ao leitor uma perspectiva diferente e inusitada sobre as aventuras narradas em O Hobbit.

Cirion e Eorl mostra como os reinos de Gondor e Rohan se tornaram amigos em meio à adversidade, e explica bastante a respeito da aliança entre essas terras em O Senhor dos Anéis. O épico em três volumes, aliás, é revista por outro ponto de vista em O Desastre dos Campos de Lis, que mostra como o Um Anel se perdeu, dando origem aos eventos de O Senhor dos Anéis, e A Caçada ao Anel, que traz detalhes que não estão nos livros originalmente publicados.

Se os Contos Inacabados provam o papel da obra póstuma de Tolkien de lançar luz sobre seus principais escritos, o livro não se basta por si: lê-lo antes dos principais livros seria infrutífero. O próprio editor e filho de Tolkien admite já na introdução: “Muito do que existe neste livro não será considerado gratificante por leitores de O Senhor dos Anéis que, afirmando que a estrutura histórica da Terra-média é um meio e não um fim, é o modo da narrativa e não o seu propósito, pouco desejam continuar explorando pela exploração em si”. Apesar disso, o livro é um bálsamo para aqueles que, encantados pelas lendas de Tolkien, desejam se aprofundar na mais impressionante mitologia criada no século 20.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.