Walter Craveiro/Divulgação
Walter Craveiro/Divulgação

Com ingressos ainda disponíveis, Flip abre edição que celebra Mário de Andrade

Pela primeira vez, festival literário tem início sem a tradicional lotação esgotada; também há vagas nas pousadas

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

01 Julho 2015 | 05h00

Sem sua principal estrela, Roberto Saviano – o italiano jurado de morte pela máfia que cancelou, na segunda, a vinda por questões de segurança –, e com ingresso sobrando para 6 das 22 mesas e vagas em pousadas, que já fazem promoção na tentativa de atrair hóspedes, a Festa Literária Internacional de Paraty abre nesta quarta, dia 1.º, sua 13ª edição. 

O curador Paulo Werneck ainda procurava, ontem à noite, o substituto de Saviano, autor de Gomorra, que lhe rendeu a tal sentença e o incômodo de viver sob proteção policial, e de Zero Zero Zero, sobre o tráfico internacional de cocaína. “A discussão que ele traz é importante e vamos tentar manter o problema do tráfico em debate”, diz. Paraty, apesar do cenário idílico, fica numa das regiões mais violentas do Rio – também por causa das drogas.

Mas a programação vai além dos cancelamentos, que sempre acontecem. Participam, este ano, nomes como o tasmaniano Richard Flanagan, mais recente Booker Prize, que divide o palco, na sexta, 3, com o queniano Ngugi wa Thiong’o; e a britânica Sophie Hannah, considerada a herdeira de Agatha Christie, que conversa, no domingo, com o cubano Leonardo Padura. 

O debate político, tão presente nas duas últimas edições – em 2013, pela onda de protestos, e em 2014, pelos 50 anos do golpe militar –, deve voltar à cena no sábado, na mesa que reunirá os cartunistas Riad Sattouf, ex-colaborador do Charlie; Plantu, cartunista do Le Monde; e Rafa Campos, também cartunista e autor de Deus, Essa Gostosa.

Temas como família, memória, neurociência, urbanismo, cidade e música, entre outros, e suas conexões com a literatura estarão em pauta. Na lista de convidados, nomes como Colm Tóibín, Ayelet Waldman, Beatriz Sarlo, Boris Fausto, Ana Luisa Escorel, Arnaldo Antunes e Sidarta Ribeiro.

A abertura, nesta quarta, às 19 h, será sobre o homenageado: Mário de Andrade. Falam sobre o autor do recém-publicado Café, romance inacabado e até então inédito, a crítica literária argentina Beatriz Sarlo; a pesquisadora brasileira Eliane Robert Moraes e Eduardo Jardim, o primeiro biógrafo do modernista. Sua obra, com as mais distintas facetas, será debatida em outras mesas do evento. E é justamente apoiado num dos múltiplos interesses do homenageado que o curador justifica a escolha do músico paratiense Luís Perequê para o show de abertura – que até a semana passada não ocorreria. “Procuramos fazer um show adequado à Flip e ao Mário, que se voltou à questão do folclore e dos músicos locais. Será um show no chão, com as cirandas de Paraty”, conta.

Orçada em R$ 7,4 milhões – em 2014, ela custou mais de R$ 8 milhões (mas o orçamento inicial era de R$ 9,3 milhões) –, a Flip não esgotou os ingressos este ano, explica a organização por meio de sua assessoria, porque colocou um lote extra de mil unidades à venda – essa quantidade, nos outros anos, era destinada aos apoiadores. A tenda principal tem lugar para 850 pessoas e o valor da entrada subiu de R$ 46 para R$ 50.

Quem não se animar a ir, mesmo com a possibilidade de comprar os ingressos lá e com vagas nas pousadas (algumas desistiram dos pacotes e já aceitam reservas por dia), e ainda quiser acompanhar pode assistir pelo site da Flip, Arte 1 e Itaú Cultural. Estando lá, há ainda muitas atrações gratuitas organizadas por editoras e outras instituições.

BABEL NA FLIP

Fora do eixo

Criadora da Jornada de Literatura de Passo Fundo, Tânia Rösing é convidada do Itaú Cultural para o debate sobre literatura fora dos eixos tradicionais, que reúne, ainda, Marcelino Freire e Felipe Lindoso hoje, às 13 h, na Casa de Cultura. Na abertura, o instituto promete contar uma novidade. Desde que o cancelamento do evento gaúcho – por falta de patrocínio – foi anunciado, o Itaú Cultural tenta viabilizá-lo

Independentes - 1

A Casa Libre-Nuvem de Livros (Rua da Lapa, 8) prepara uma série de debates acerca do tema intolerância. Entre os convidados, Marcelo Godoy, autor de ‘A Casa da Vovó’, sobre o DOI-Codi e repórter do ‘Estado’, e a escritora Conceição Evaristo 

Independentes - 2

Com abertura na quinta, a Feira Saca reunirá publicações de editoras independentes no Madame Duranga Brechó Café

Mais conteúdo sobre:
flipliteraturaflip 2015Paraty

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.