WILSON MELO/ESTADÃO
WILSON MELO/ESTADÃO

Biografia mostra como Eric Hobsbawm conquistou grande número de leitores

Estilo literário envolvente tornou historiador popular; leia entrevista com Richard Evans, autor do livro

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2021 | 05h00

Em 2003, em sua primeira edição, a Festa Literária Internacional de Paraty, a Flip, trouxe notáveis nomes da ficção, como Don DeLillo, Julian Barnes e Hanif Kureishi, mas foi um historiador que atraiu fila de seguidores em suas caminhadas pelo calçamento incerto da cidade fluminense – então com 86 anos, o britânico Eric Hobsbawm desfrutava de uma rara popularidade graças a seus comentários precisos e pessimistas sobre o século passado, a ponto de ser chamado de ‘intelectual superstar’ pela historiadora Lilia Schwarcz.

“Seus livros eram extremamente populares no Brasil, e isso se deveu em parte ao apoio entusiástico dos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Lula, e também porque ele conquistou o apoio de intelectuais brasileiros antes mesmo da transição para a democracia”, observa o historiador inglês Richard Evans, autor de Eric Hobsbawm, alentada biografia lançada agora pela Planeta, em seu selo Crítica (leia um trecho do livro ao fim desta reportagem).

Foram cinco anos de pesquisa para montar um retrato íntimo e simpático de Eric John Ernest Hobsbawm (1917-2012), historiador britânico de origem judaica, intelectual nascido em Alexandria e que usou os princípios do marxismo para explicar o mundo atual. Evans baseou-se em diários, cartas e entrevistas, bem como no material contido em uma caixa robusta de arquivos acumulada pelo MI5, o serviço secreto da Grã-Bretanha que, por muitos anos, manteve sob observação o homem que via como um subversivo. 

Seu sucesso se deveu principalmente a um estilo literário que, por ser envolvente, atingia o público mais amplo possível. Hobsbawm conseguia combinar uma síntese abrangente com detalhes reveladores ou ainda condensar a essência de uma era em parágrafos vigorosos e certeiros. Entre suas obras mais destacadas, que influenciaram gerações de historiadores, estão Era dos Extremos: O Breve Século 20 – 1914-1991 e Globalização, Democracia e Terrorismo. Por e-mail, Richard Evans respondeu as seguintes perguntas.

Até que ponto a vida de Hobsbawm moldou a história que ele produziu?

Moldou sua escrita histórica de várias maneiras. Ele era um cosmopolita, nasceu em Alexandria, cresceu em Viena e Berlim e se estabeleceu no Reino Unido (ele nasceu e continuou sendo um cidadão britânico). Hobsbawm passou muito tempo na França na década de 1930 e novamente na de 1950. Seus relatórios escolares indicam que sua língua nativa era “inglês /alemão” – sua mãe, uma tradutora, insistia que a família falasse em inglês em casa. Ele tinha um francês fluente e, mais tarde, aprendeu italiano e espanhol.

Também adquiriu uma ampla abordagem internacional da história e, mesmo quando escreveu sobre a Inglaterra, era sempre com um olhar comparativo. Mais tarde, estendeu sua cobertura histórica para a América Latina. Nas décadas de 1930 e 1940, Hobsbawm era um comunista bastante ortodoxo, casado com uma participante do Partido Comunista da Grã-Bretanha e cultivando suas ideias a partir de uma leitura atenta de Marx, Engels e Lenin. Quando começou a escrever sobre a história, revelou uma perspectiva da “marcha do trabalho”, focalizando sobretudo a classe trabalhadora industrial. Mas, quando se afastou do Partido Comunista na década de 1950, Hobsbawm começou a escrever sobre pessoas marginais e desviantes, “rebeldes primitivos”, bandidos e semelhantes.

Isso coincidiu com o momento em que vivia um doloroso rompimento de seu primeiro casamento em 1953, quando morava em parte com uma namorada marxista dissidente em Paris e passava muito tempo no Soho, bairro boêmio de Londres, em clubes de jazz e bares, incluindo pessoas marginais em sua vida pessoal, até mesmo uma namorada que era trabalhadora do sexo em meio período. Após seu segundo casamento, em 1962, ele estabeleceu uma vida familiar estável, e foi então que começou a escrever amplas pesquisas gerais, começando com A Era das Revoluções. Portanto, a maneira como viveu se encaixou de forma interessante com a maneira como ele abordou a história.

Como foi a experiência de percorrer os arquivos do M15?

Hobsbawm esteve sob vigilância do MI5 desde a guerra – por quanto tempo, não sei, já que não tive permissão para ver o mais recente dos sete arquivos volumosos que compilaram sobre ele. Era um homem totalmente inofensivo – ao contrário dos “cinco espiões de Cambridge”, que causaram muitos danos. Mas, como estes eram todos ingleses de classe média alta com origens impecáveis, o MI5 e o MI6 confiavam neles, ao contrário de Hobsbawm que, de alguma forma, era estrangeiro e não se encaixava naquele perfil. Os arquivos mais úteis trouxeram transcrições de conversas grampeadas na sede do Partido Comunista, que revelavam muito sobre seu papel nas disputas internas que eclodiram no Partido Comunista em 1956. Fora isso, eles apenas mostraram que a vigilância era uma perda de tempo.

O que diria sobre o estilo de escrita de Hobsbawm?

A mãe de Hobsbawm era romancista e tradutora e, por meio dela, mesmo em seus diários de adolescente, ele desenvolveu um estilo de inglês fluente e altamente legível. É tudo, menos árido e acadêmico. Ele sempre teve como objetivo atrair o leitor em geral, exceto por seus primeiros artigos na Economic History Review, que escreveu para estabelecer suas credenciais como historiador da economia.

Ele deu contribuições valiosas para a história, mas você poderia apontar aquelas que considera mais significativas? O que o tornou um historiador notável?

As contribuições de Hobsbawm foram importantes em vários campos. Seus primeiros artigos em Passado e Presente estabeleceram um debate sobre “a crise geral do século 17” que continua até hoje; da mesma forma com seus artigos sobre o padrão de vida durante a Revolução Industrial. Seu melhor e mais emocionante livro é Bandidos, em que seu conceito de “banditismo social” ainda domina o campo. Seus amplos livros da série A Era... são pesquisas ainda hoje essenciais e amplamente utilizadas no ensino em nível universitário. Sua forma de conceituar períodos – o longo século 19, o curto século 20 – teve uma influência enorme. O que o tornou um historiador notável foi sua combinação de poder teórico e legibilidade.

Por que decidiu ser historiador em vez de seguir carreira política?

Hobsbawm já sabia, quando adolescente, que era um intelectual, não um lutador de rua ou ativista político. Ele considerou várias carreiras como jornalista ou administrador do Partido, mas sua autodefinição precoce como intelectual o levou quase inevitavelmente para a academia, e ele conseguiu um emprego como historiador fundamentalmente porque descobriu que era bom nisso.

Como podemos distinguir seu marxismo de seu comunismo?

Ele nunca foi puramente marxista; sempre foi fortemente influenciado pela escola francesa Annales, com a qual entrou em contato ainda quando estudante. Logo no início, podem-se ver elementos leninistas em sua escrita, mas, com o passar do tempo, se tornaram mais fracos. Em A Era do Império, ele rejeita as teorias do imperialismo de Lenin e Rosa Luxemburgo, por exemplo. E quase nunca menciona Stalin, mesmo em seus diários dos anos 1930, embora um comunista comprometido expressasse profunda reverência pelo líder soviético, cujos escritos eram profundamente desinteressantes para um intelectual. Hobsbawm nunca abandonou seu determinismo econômico, como se vê na estrutura dos livros da série A Era..., que sempre começam com economia.

Por que Hobsbawm, por muito tempo, evitou escrever sobre o século 20?

Ele evitou escrever sobre o século 20 enquanto ainda era membro do Partido Comunista, porque isso significaria seguir a “linha do Partido” e Hobsbawm não estava disposto a abandonar sua independência intelectual.

É interessante quando você sugere que, órfão aos 14 anos, ele recebeu do Partido um sentimento de pertencimento que sua família não podia mais prover.

Hobsbawm encontrou uma família substituta primeiro entre os escoteiros, mas, quando foi para Berlim e morou lá no início dos anos 1930, o forte e ativo Partido Comunista local proporcionou um tipo de família mais satisfatória intelectual e politicamente. Na década de 1950, ele também encontrou uma comunidade unida no mundo do jazz. Hobsbawm deu muitas explicações sobre os motivos que levaram a permanecer sempre leal ao comunismo, mas essencialmente isso foi embutido em seu caráter desde a adolescência. Ele era pobre no início dos anos 1930 e se juntou aos comunistas porque eles fizeram da pobreza algo de que se orgulhar, como se refere em seu diário.

Se estivesse vivo hoje, o que ele teria a dizer sobre o Brexit?

Ele era um patriota britânico e poderia muito bem ter apoiado o Brexit porque, como Jeremy Corbyn e a esquerda trabalhista, ele pensava na UE como um clube capitalista. Por outro lado, teria ficado chocado com a xenofobia e o isolacionismo que, em parte, alimentaram o Brexit.

“Três milionários estão sentados em um bar. Depois de beber um pouco de uísque, eles começam a se animar e a cantar a música mais marcante de sua juventude: a Internacional Comunista.” Foi com essa piada que Hobsbawm encerrou sua palestra na Flip, em 2003. Como você analisa seu bom humor?

A diferença é que, embora Hobsbawm tenha se tornado bastante rico, embora nunca tenha sido um milionário, ele nunca abandonou suas opiniões de esquerda. Ele podia conversar com qualquer pessoa e gostava de fazê-lo e, embora fosse pessimista em relação ao futuro, nunca desistiu inteiramente. Era isso que o tornava atraente para os jovens.

Leia um trecho do livro Eric Hobsbawm - Uma Vida na História

“Na ocasião de sua morte, em 2012, aos 95 anos de idade, Eric Hobsbawm já era havia alguns anos o mais bem conhecido e o mais lido historiador do mundo. Seu falecimento ganhou manchetes de primeira página não só no Reino Unido, como também em países tão distantes como a Índia e o Brasil. (...) Milhões de leitores consideravam impossível resistir sua combinação de rigor analítico, elegância estilística, vivacidade interpretativa e detalhes interessantes. Só no Brasil, as vendas de seus livros chegaram a quase 1 milhão de exemplares (...) Sua obra não somente foi lida amplamente, mas também exerceu uma grande e duradoura influência no pensamento histórico, resultado de toda uma série de novos conceitos abrangendo desde “a crise geral do século 18” e “a invenção da tradição” até “banditismo social” e “o longo século 19”. Discussões sobre seu trabalho, desde o padrão de vida na Revolução Industrial às origens do nacionalismo, continuam a inspirar novas pesquisas históricas muitas décadas depois de suas propostas a respeito.”

Informações:

Livro: Eric Hobsbawm

Autor: Richard J. Evans

Tradução: Claudio Carina

Editora: Planeta

Páginas: 728

Preço: R$ 159,90

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.