Biblioteca Mário de Andrade
Biblioteca Mário de Andrade

Biblioteca Mário de Andrade homenageia bibliófilos em nova exposição de obras raras

Em cartaz até dezembro, a mostra Grandes Colecionadores foi montada com base no acervo de nomes como Félix Pacheco e Otto Maria Carpeaux

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

02 de outubro de 2019 | 12h00

A Biblioteca Mário de Andrade abre nesta quinta-feira, 3, na véspera da primeira edição do Festival Mário de Andrade, com debates e feira de livros, uma nova exposição com raridades de seu acervo. A mostra Grandes Colecionadores apresenta exemplares significativos da trajetória pessoal de bibliófilos que doaram ou venderam suas coleções para a Biblioteca Mário de Andrade.

A exposição Grandes Colecionadores pode ser visitada até o dia 12 de dezembro, todos os dias, das 10h às 19h.

Com curadoria de Rizio Bruno Sant’Ana, a mostra exibe livros do acervo de nomes como Félix Pacheco (1879-1935), Barão Homem de Mello (1837-1918), Antonio Baptista Pereira (1880-1960), Paulo Prado (1869-1943), Pirajá da Silva (1873-1961), Antonio Francisco Paula Souza (1843-1917), Francisco de Assis Carvalho Franco (1886-1953), Alceu Maynard Araújo (1913-1974), Otto Maria Carpeaux (1900-1978), Paulo Duarte (1899-1984), José Pereira de Mattos e José Perez.

De Félix Pacheco, por exemplo, os visitantes poderão ver o primeiro documento impresso que descreve costumes folclóricos brasileiros: Relação das Faustíssimas Festas, de 1762. Trata-se de um relato das festas para comemorar o casamento entre a Princesa do Brasil (futura rainha D. Maria I) e D. Pedro infante de Portugal (depois, D. Pedro III). 

Pacheco foi político, jornalista, poeta e reconhecido como introdutor no Brasil de traduções e estudos sobre Charles Baudelaire. Eleito imortal da Academia Brasileira de Letras em 1912, ele reuniu a maior coleção privada de obras raras e de Brasiliana do País, em seu tempo. Sua coleção de 14 mil volumes foi comprada por Rubens Borba de Moraes, em 1936.

Já de Paulo Prado, advogado, fazendeiro, escritor e patrocinador da Semana de Arte Moderna de 1922, cuja coleção de livros de artistas e obras de história e literatura francesa foi doada em 1945, será exposto um projeto de lei sobre os escravos no Brasil que seria apresentado por José Bonifácio de Andrade e Silva à Assembleia Gerak Constituinte quando ela foi dissolvida e o autor e outros deputados foram presos e deportados. O material foi publicado em 1825, durante o exílio, em Paris. 

Otto Maria Carpeaux também foi um colecionador. De sua coleção, o público poderá ver uma edição bilíngue com poemas de Carlos Drummond de Andrade organizada por Hans Magnus Enzensberger e publicada em 1965 pela alemã Suhrkamp. Foi Carpeaux quem fez a ponte entre o poeta mineiro e os editores estrangeiros, e o volume traz uma dedicatória assinada por Drummond em 28 de julho de 1965.

 

Exposição Grandes Colecionadores

De 3/10 a 12/12, das 10h às 19h (todos os dias). Biblioteca Mário de Andrade (Rua da Consolação, 94)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.