AP Photo|Ramy Yaacoub
AP Photo|Ramy Yaacoub

Autor egípcio é condenado a dois anos de prisão por romance com conteúdo sexual

Processo foi aberto contra Ahmed Naji por um cidadão egípcio que afirmou que trechos causaram a ele aflição e palpitações

Reuters

22 de fevereiro de 2016 | 10h41

CAIRO - Um tribunal no Egito condenou um escritor a dois anos de prisão por indecência pública depois que trechos de seu romance sexualmente explícito foram publicados em um jornal de literatura.

Um capítulo de Istikhdam al-Hayat, ou "Usando a Vida", de Ahmed Naji, foi publicado em um jornal estatal de literatura e um processo foi aberto contra ele no ano passado por um cidadão egípcio que afirmou que os trechos causaram a ele aflição e palpitações.

Naji foi liberado inicialmente em janeiro, mas a promotoria apelou da decisão e ele foi condenado a dois anos de prisão no novo julgamento realizado no sábado, disse seu advogado. Ainda cabe recurso contra a decisão.

Na decisão inicial, o tribunal afirmou que liberou Naji porque liberdade de expressão está prevista na constituição do país e acrescentou que a moralidade era subjetiva. A segunda decisão ainda precisa divulgar suas razões para condenar o escritor à prisão.

O editor do jornal foi condenado a pagar multa de 10 mil libras egípcias (US$ 1,2 mil). A sentença foi considerada por escritores, jornalistas e defensores dos direitos humanos como uma afronta à liberdade de expressão.

Tudo o que sabemos sobre:
Egito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.