Mario Anzuoni/Reuters
Mario Anzuoni/Reuters

Art Spiegelman vê nova proibição de seu livro 'Maus' como um 'alerta vermelho'

"O controle dos pensamentos das pessoas é essencial para o que está acontecendo", diz o cartunista que teve a obra banida em algumas escolas dos EUA

Michael Cavna, The Washington Post

31 de janeiro de 2022 | 10h00

Art Spiegelman não se propôs a escrever uma ajuda educacional para jovens leitores adultos. Há meio século, ele simplesmente queria conhecer melhor sua própria origem, descobrir mais sobre as histórias de seus pais - e ouvir de seu pai, um judeu polonês e um sobrevivente, como alguns de seus parentes foram mortos no Holocausto.

Em uma entrevista na quinta-feira, 27, ele se lembra de sua mentalidade aos 20 anos: "Eu nunca quis ensinar nada a ninguém".

Agora, porém, com os últimos debates acalorados sobre quais livros podem ser banidos das escolas e bibliotecas, o autor do seminal livro de memórias Maus aprecia a longa tradição cultural de seu trabalho: "Sou grato pelo livro ter uma segunda vida como uma ferramenta antifascista".

Spiegelman está falando pouco depois de saber que um conselho escolar do Tennessee votou por unanimidade neste mês para proibir Maus que, em 1992, se tornou a primeira graphic novel a ganhar o Prêmio Pulitzer - no Brasil, é publicada pela Companhia das Letras. A biografia em quadrinhos de dois volumes narra a história do Holocausto de sua família através de um quadro de conversas dos anos 1970 entre Spiegelman e seu pai distante, todas contadas com imagens antropomórficas: os personagens judeus são representados como ratos, por exemplo, e os nazistas são gatos.

O conselho de 10 membros do condado de McMinn optou por remover Maus de seu currículo de artes linguísticas da oitava série, citando seus palavrões e nudez. Agora, o autor baseado em Nova York está analisando a ata da reunião do conselho em 10 de janeiro, tentando entender sua decisão de atacar a graphic novel, que já foi contestada na Califórnia e proibida na Rússia. Sua conclusão: a questão é maior do que sua história em quadrinhos.

No atual clima sócio político, ele não vê a votação do Tennessee como uma anomalia. "É parte de um continuum e apenas um prenúncio do que está por vir", diz Spiegelman. "O controle dos pensamentos das pessoas é essencial para o que está acontecendo."

Como essas votações escolares visam estrategicamente limitar "o que as pessoas podem aprender, o que elas podem entender e pensar", diz ele, há "pelo menos uma parte do nosso espectro político que parece estar muito entusiasmada" com a proibição de livros.

"Este é um alerta vermelho. Não é apenas: 'Como eles ousam negar o Holocausto?' ", diz ele com um suspiro simulado. "Eles vão negar qualquer coisa."

Spiegelman, 73 anos, conhece bem os caminhos e caprichos dos tomadores de decisão educacionais. Ele cita quantas vezes As Aventuras de Huckleberry Finn foi desafiado e banido desde sua publicação em 1885. E, em 1986 - apenas algumas semanas após o livro um de Maus ser publicado - o romance gótico Enquanto Agonizo, publicado por William Faulkner em 1930, teve um aumento regional nas vendas quando foi proibido por um distrito escolar de Kentucky.

Como a proibição de Maus se tornou amplamente divulgada esta semana, depois que a votação foi divulgada no Tennessee Holler, a graphic novel teve um aumento nas vendas. Na sexta-feira, 28, a versão completa da graphic novel, de capa dura, estava entre os 25 títulos mais vendidos da Amazon e o segundo entre todas as biografias históricas, além de quadrinhos e graphic novels.

Spiegelman diz que os quadrinhos são frequentemente desafiados em ambientes educacionais, em parte por causa do poder visceral das imagens visuais. New Kid de Jerry Craft, Drama de Raina Telgemeier e Fun Home de Alison Bechdel estão entre as aclamadas histórias em quadrinhos que apareceram nas listas de livros desafiados destacadas durante a Banned Books Week, o evento anual que celebra "a liberdade de ler".

"Uma das razões pelas quais Maus é tão ameaçador - e uma das razões pelas quais (alguns) educadores estavam tentando proteger a ideia de ensiná-lo em seu currículo - era que está em forma de quadrinhos", diz Spiegelman. A narrativa quadro a quadro "torna fácil de lembrar - o componente visual, bem como os pensamentos subjacentes que precisam ser comunicados - porque você pode ir do passado para o presente, para o futuro e para trás e para frente, como seu olho voa pela página. As crianças fazem isso instintivamente."

Assim, enquanto lia o registro da reunião do conselho, Spiegelman se concentrava nos declarados problemas: imagens fortes, bem como linguagem forte.

A mãe de Spiegelman se suicidou quando ele tinha 20 anos e, em Maus, ele descreve como seu pai descobriu seu corpo sem vida, despido em uma banheira.

Spiegelman também ri em reação a um membro do conselho que lembrou de contribuições anteriores do autor em quadrinhos para a revista Playboy ao avaliar a nudez antropomórfica em Maus, que inclui 'despojados' prisioneiros de campos de concentração.

Spiegelman reconhece que as vozes que falaram na reunião não eram "de forma alguma monolíticas". Um supervisor instrucional falou de Maus como um livro âncora para começar a ensinar o Holocausto para crianças: "Sou muito apaixonado por História e odiaria roubar esta oportunidade dos nossos filhos".

O membro também observou: "Sr. Spiegelman fez o seu melhor para retratar sua mãe falecendo".

Em meio à polêmica,Spiegelman aceita o fato de que Maus tem uma sobrevida. "Eu não sabia que haveria tantos quadrinhos e histórias em quadrinhos sobre o Holocausto inspirados no meu trabalho", diz ele. Cumulativamente, eles tornam os quadrinhos do Holocausto "mais plausíveis como parte de um currículo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.