Biblioteca Nacional
Biblioteca Nacional
Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Aranhas, teias e golpes

As aranhas urdidoras de fraudes eleitorais do conto de Machado de Assis, A Sereníssima República, são uma genial ficção etnológica e uma extraordinária reflexão sobre a adoção de novos regimes políticos

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2021 | 03h00

As aranhas urdidoras de fraudes eleitorais do conto de Machado de Assis, A Sereníssima República, publicado em 1882, uma época marcada pela transição do Império à República e da escravidão ao trabalho livre, são uma genial ficção etnológica e uma extraordinária reflexão sobre a adoção de novos regimes políticos. Um assunto no qual o Brasil é um caso exemplar e Machado de Assis, um privilegiado observador, pois, devido à plenitude de uma aristocracia e de um patriarcado hegemônico, com o reforço da fuga da corte portuguesa, proclamamos uma atiradíssima República sem republicanos e uma democracia sem igualdade. Hoje, vítimas das teias que tecemos, lidamos com o que parece ser uma maluquice eleitoral, tal como aconteceu com as aranhas. 

A fábula relata uma excepcionalidade de um processo de mudança cultural. As aranhas têm uma língua e, tanto quanto o Brasil, aceitam o republicanismo para descobrir que as demandas da República têm, no seu sistema eleitoral, uma degradável impessoalidade. Uma imparcialidade que nos torna anônimos e iguais perante a lei. Aranhas e nós, porém, temos reservas quanto a esse princípio contrário a práticas sociais hierarquicamente orientadas, mas enterradas no nosso inconsciente, exceto quando colocamos alguém no seu devido lugar com o “você sabe com quem está falando?”.

A igualdade como valor destoa da reciprocidade revelada por Marcel Mauss, a qual obriga a fazer e devolver o favor que, ao lado do jeitinho (caseiro ou legalmente supremo), coloca as ideias nos seus lugares. Esses são os costumes não convidados que trazem de volta a “velha política”. O sistema que Bolsonaro foi eleito para liquidar. E que hoje o leva a pensar no golpe que destampa a teia de uma aristocracia estatizada.

A comunidade das aranhas também sofre de um claro antietnocentrismo. Inventada pelos seus onipotentes intelectuais, a pátria das aranhas não percebe as gradações, privilégios e castas de sua ordem social. A incongruência entre o regime político e os costumes promove um nelson-rodriguiano complexo de vira-lata – esse sintoma de uma inferioridade estrutural diante de estrangeiros “adiantados” e “civilizados”. 

Por isso, as aranhas mais sensíveis pedem ao Cônego Vargas – aquele humano a elas simpático que, como um etnólogo, aprendeu sua língua e admirou suas teias – um regime político. Visto como um demiurgo, algo comum nos encontros entre povos com grandes diferenças de poder, esses contatos que conduzem à escravidão e ao colonialismo, o honesto Cônego não hesitou em sugerir o sistema da Sereníssima República de Veneza, o menos sujeito à imobilidade das heranças e casas aristocráticas, o que contém um mecanismo de mudança e aprimoramento.

Adotando o regime republicano, logo as melhores moças da coletividade teceram os sacos de onde sairia o nome de um dos eventuais candidatos. Elas foram chamadas de “mães da República”, uma informação reveladora de que a “política”, como a religião, o ensino, o jogo, o esporte ou o trânsito, não entra em espaços vazios porque não há nenhuma sociedade com espaços sem significado. 

O resultado, depois de algumas eleições, foi decepcionante. Sem serem capazes de enxergar as implicações e o protagonismo social dos seus próprios costumes, as aranhas logo descobriram os seus malandros e os seus golpistas. A disputa eleitoral, ao lado do negacionismo do poder de seus estilos estabelecidos de prestígio de poder, fez com que as aranhas de Machado de Assis até hoje urdam e desmanchem suas sacolas eleitorais e, como Penélope, aguardem seu Ulisses – uma enorme paciência e ao lado de uma velha sabedoria. 

A preço do autodesconhecimento é a repetição que conduz à ausência de história e de mudança. Pensar que se pode controlar costumes ou, mais ingênuo que isso, ignorar que depois de D. João VI tivemos um Pedro 01 e Pedro 02 e alguns mandachuvas é – no limite da estupidez – desejar não mudar. É voltar ao autoritarismo aristocrático disfarçado de “estados novos” podres de velhos, mostrando a saudade das ditaduras.

A miragem nacional denunciada por Machado de Assis é que o republicanismo não é um mecanismo formalista isolado, pois todo regime é contaminado pelo conjunto dos costumes da sociedade do qual faz parte.

Impossível mudar? Claro que não. O ponto é ter consciência que todo processo de mudança tem miragens e exige paciência com o velho e energia para implementar o novo.

PS: Todo golpe troca teias por grades. Faz parte dos golpes o patético “botar os tanques na rua”, essas armas do puro poder, poluidoras da vida dos que apenas desejam viver em paz sem abdicar do seu direito de construir suas teias. Esse valor que a maluquice de um presidente aliado da morte não pode abolir.

É ANTROPÓLOGO SOCIAL E ESCRITOR, AUTOR DE ‘FILA E DEMOCRACIA’

Tudo o que sabemos sobre:
literaturaMachado de Assis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.