Companhia das Letras
Companhia das Letras

Andrea Abreu se aproxima de Elena Ferrante com o livro ‘Pança de Burro’

Jovem autora espanhola teve os direitos de sua obra comprados por 21 países

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2022 | 05h00

A semelhança não foi intencional, mas observada por críticos e leitores – as personagens Isora e a narradora sem nome do romance Pança de Burro têm uma trajetória parecida à de Lenu e Lila, as amigas da consagrada tetralogia da italiana Elena Ferrante, ou seja, vivem em uma área pobre e usam uma linguagem carregada de dialeto. “Não me senti influenciada, mas também não desconheço a presença da Ferrante em minha história, especialmente na idolatria da protagonista pela amiga”, comenta a espanhola Andrea Abreu ao Estadão, em conversa por e-mail. E, ao contrário da colega de escrita, ela não se esconde sob um pseudônimo e participa ativamente do sucesso de sua obra.

Publicada em 2020, Pança de Burro (que chega agora ao Brasil pela Companhia das Letras) se transformou em grande sucesso, tendo vendido mais 70 mil exemplares na Espanha, além de ter os direitos comprados por editoras de 21 países e com a garantia de se transformar em filme.

A trama se passa em Tenerife, a maior das ilhas Canárias espanholas, onde Andrea nasceu em 1995. Reduto de turistas, que buscam suas praias com areias de cor amarela e preta, o local paradisíaco tem também seu lado B, especialmente na região norte, marcada por um fenômeno meteorológico chamado “pança de burro”, no qual nuvens pesadas e baixas formam uma espessa camada sobre a terra, eventualmente com a presença de neblina.

É lá onde vivem Isora e sua amiga, que não é nominada. A história se passa em 2005, quando as meninas têm 10 anos e desfrutam das descobertas motivadas pela chegada da adolescência. Órfã de mãe e sem notícias do paradeiro do pai, Isora mora com uma tia e a avó que, além de comandar uma venda, dita receitas absurdas para a menina. Mulheres que se caracterizam pela religiosidade, mas também pela facilidade em proferir obscenidades.

Já a narradora da história, cujo nome não é dito, vive em uma casa no alto do morro, que é constantemente ampliada para receber novos parentes que nascem ou chegam. A região não é nada agradável, onde um vulcão vive à beira da erupção e os cães são feios como os homens.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Eu buscava um olhar infantil honesto e isso necessariamente acontecia deixando espaço para a crueldade
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Andrea Abreu, escritora

Juntas, as amigas buscam descobrir o seu lugar no mundo em um momento delicado, em que o despertar da sexualidade aciona também mecanismos complexos da amizade feminina, como o amor, a inveja, a “vontade de fazer mal”, o desejo. Garotas com imensa vontade de viver, com sujeira nos dentes e cuja tristeza vem como uma martelada.

“Eu buscava um olhar infantil honesto e isso necessariamente acontecia deixando espaço para a crueldade”, conta Andrea Abreu, que fez parte da edição dos melhores escritores com menos de 35 anos da revista Granta. “Estou interessada em construir personagens complexos que não se enquadrem nas categorias morais do bem e do mal. Não tenho interesse especial na crueldade, mas na ambiguidade dos personagens.”

Segundo ela, as meninas têm uma visão de mundo renovada, não automatizada, em oposição ao visual desgastado e cheio de lugares-comuns dos adultos. “Acredito que a linguagem poética tem relação com observar o mundo com olhos renovados, que permitem encontrar novas e diferentes conexões com o cotidiano. Assim, a voz de um personagem infantil é mais próxima da poesia.”

Andrea apresenta, assim, uma prosa delineada por uma oralidade original, marcada por diminutivos e repetições, e palavras tipicamente canárias, como “guagua” (ônibus). As frases nem sempre trazem a pontuação esperada, um convite para serem lidas em voz alta e, assim, compreendidas.

“Encontrar a voz dentro do livro foi um processo complicado”, conta a autora. “Parti do princípio de que a ‘correção’ é um valor fundamental na literatura, mas sabia que é de cunho classista e colonial e meu livro tinha um espírito contrário a essas ideias reacionárias. As personagens são duas meninas da serra, da classe trabalhadora, sem vergonha, longe das ideias burguesas do que uma menina ou uma pessoa em geral deveria ser, então a linguagem tinha de ser compatível com o conteúdo.”

Pertencente a uma geração de jovens escritores acostumados mais ao meio digital que do impresso, Andrea conta seu interesse pelo jogo de palavras. “Somos pessoas acostumadas a nos representar escrevendo o dia todo, o tempo todo. Nosso estado natural é escrever.”

Trecho do livro 

Isora Candelaria González Herrera

Quando chegamos à casa da Eufracia, Isora ficou na frente da porta e me olhou e me disse toca você, e toquei eu, e me afastei e saiu Eufracia com um avental de cozinha todo salpicado de sangue. Minha filha, Carmita já me telefonou. Entrem, que eu estava lacerando o coelho pra fazer um tiquinho pro jantar, sente-se aí, minha filha, disse à Isora, e pôs ela numa cadeira de plástico do quintal, em meio às matas verdes de samambaias, verdes e grandes como as do Monte del Agua. Enquanto Isora se acomodava, eu peguei uma cadeira e me sentei num cantinho, porque não era eu a famosa. Isora era a que tinha mau-olhado, só ela tinha essas coisas, comigo não acontecia nada nunca, a vovó sempre dizia que eu tinha o bucho virado, mas ninguém me levava para me benzer.

Eufracia fez o sinal da cruz e eu não sabia o que fazer e fiz a mesma coisa, mas de levinho, como quem cumprimenta alguém que não cumprimenta e coça as bochechas para disfarçar. Ela fez o sinal da cruz na Isora e começou a dizer que na cruz padeceu e na cruz morreu e na cruz Cristo te benzo eu, e Isora a olhava com os olhos arregalados como uma garoupa, e a mulher mexia a boca e esfregava os dedos enrugados feito troncos de vinha seca, retorcidos, rachados pelos anos de alvejante e terra. (...) E eu pensava ela vai morrer, vai morrer, Lúcifer vai matar ela quando sair pelos olhos da Eufracia.

SERVIÇO

PANÇA DE BURRO 

ANDREA ABREU 

COMPANHIA DAS LETRAS 

192 PÁGINAS

R$ 69,90 R$ 39,90 (E-BOOK)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.