Tasso Marcelo/Estadão
Tasso Marcelo/Estadão

Análise: Detetive Espinosa não fechou os olhos para a sociedade injusta que o empregava

De estreia tardia na ficção, trajetória de Luiz Alfredo Garcia-Roza é bastante original

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S. Paulo

16 de abril de 2020 | 15h43

A trajetória de Luiz Alfredo Garcia-Roza é bastante original. Psicanalista e professor de filosofia, autor de livros acadêmicos, apenas tardiamente, aos 60 anos, estreia na ficção. E o faz com um romance policial, gênero um tanto desprezado por quem se esquece de que foi inventado por ninguém menos que Edgar Allan Poe, criador do detetive Auguste Dupin. 

Garcia-Roza dá uma piscadela à sua formação filosófica ao batizar seu investigador de Espinosa. Referência, claro, ao filósofo holandês do século 17, excomungado por suas ideias heréticas.

O Espinosa de Garcia-Roza não é tão subversivo quanto o filósofo. No limite, parece mais um homem comum que um extraterrestre do raciocínio dedutivo, como o inaugural Dupin, de Poe (A Carta Furtada é um dos textos fundamentais dessa escola de detetives cerebrais). Sob a mesma etiqueta, há Sherlock Holmes, de Conan Doyle, e o Hercule Poirot, de Agatha Christie, para não falar do Padre Brown, de Chesterton. A tradição norte-americana, com Sam Spade, de Dashiell Hammett, e Philip Marlowe, de Raymond Chandler, dá dimensão mais carnal (e ambígua) à figura do detetive. Essa ganha configuração humana em Maigret, de Georges Simenon. E também no comissário Salvo Montalbano do siciliano Andrea Camilleri

Ao moldar seu Espinosa, Garcia-Roza talvez tenha pensado em todos esses antecessores e também na serenidade do filósofo que lhe fornece o nome. Mas, apesar de calmo, o Espinosa brasileiro é mais um arguto observador das ruas e das gentes que um lavrador das ideias como seu antecessor holandês. Não mostra o fascínio matemático-dedutivo de Dupin, Holmes ou Poirot e nem a ambiguidade de Spade e Marlowe. 

Seu campo de ação é o bairro de Copacabana, que ele conhece como o interior do seu bolso, como dizem os franceses. Investiga crimes, mas manifesta preocupação com os moradores de rua que encontra em suas caminhadas e se tornam seus conhecidos. Relaciona-se com uma mulher há mais de dez anos. Pode-se dizer que é um humanista. E, como tal, não consegue fechar os olhos para a sociedade injusta que o emprega. Essa constatação empresta uma certa melancolia à sua vida, o que, a meu ver, o aproxima de Maigret, a criatura de Georges Simenon. 

A personalidade do detetive, sua visão de mundo, seduzem o leitor. O estilo limpo do autor seduz, tanto o público como a crítica. Tanto assim que a tardia estreia com O Silêncio da Chuva premiou sua aposta profissional com um Jabuti. Seguiram-se mais onze romances e algumas adaptações para cinema e TV. Domingos Montagner interpretou o personagem em Romance Policial: Espinosa. Antonio Fagundes deu rosto a Espinosa em Achados e Perdidos, de José Joffily. E Lázaro Ramos será seu avatar no ainda inédito O Silêncio da Chuva, de Daniel Filho. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.