José Patrício/Estadão - 29/3/2006
José Patrício/Estadão - 29/3/2006

Amigos relembram a carreira do jornalista Ricardo Boechat em livro

‘Toca o Barco’, que será lançado hoje, traz depoimentos de 32 profissionais que trabalharam como o jornalista, que morreu em fevereiro em acidente de helicóptero

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

27 de junho de 2019 | 20h53

Um chefe severo, que às vezes também surpreendia pela amorosidade. O jornalista Ricardo Boechat, morto em um acidente de helicóptero, em fevereiro, deixou marcas profundas não apenas em seus ouvintes de rádio e TV, mas também em diversos colegas de imprensa, com quem trabalhou desde seu primeiro emprego, em 1969, no Diário de Notícias.

É o que narram 32 profissionais em Toca o Barco (Máquina de Livros), livro que reúne seus depoimentos e que será lançado nesta sexta-feira, 28, no 14.º Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, a Abraji, no câmpus Vila Olímpia da Universidade Anhembi Morumbi. Os editores Bruno Thys e Luiz André Alzer, além de alguns autores que participam da obra, estarão no evento, a partir das 10h30.

“O objetivo neste livro é contar histórias do jornalista fora dos padrões, que rompeu com a vaidade, eliminou as divisórias entre casa, trabalho, vida pessoal e profissional, e fez do seu ofício um sacerdócio”, anotam os editores, no prefácio.

Para além das histórias pessoais, por si já interessantes, Toca o Barco, além da esperada irregularidade em uma obra assinada por diversas vozes, recupera um importante momento do fazer jornalístico, especialmente a forma como foi modificado pela evolução tecnológica. Assim, do telefone com fio e das matérias enviadas por telex até a transmissão ao vivo por um celular, a atividade mudou sensivelmente.

Flexível às novidades científicas, Boechat (1952-2019) manteve intacto, porém, como atestam seus amigos, o rigor pela precisão e a busca incessante pelo furo, práticas efetuadas com tal empenho que, algumas vezes, levavam os mais jovens e inexperientes às lágrimas. De auxiliar do colunista Ibrahim Sued, passando pela chefia da sucursal carioca do Estado até a consagração na Band, Boechat deixou exemplos permanentes.

TOCA O BARCO

Editora: Máquina de Livros (176 págs., R$ 44,90 papel, R$ 24,90 e-book)

Lançamento: Univ. Anhembi Morumbi. Rua Casa do Ator, 275. 6ª (28/6), 10h30

Tudo o que sabemos sobre:
Ricardo Boechatlivrojornalismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.