Foto: JB NETO / AE
Foto: JB NETO / AE

Amigos e colegas de profissão homenageiam Angeli

Cartunista anunciou aposentadoria nesta quarta-feira, 20, após o diagnóstico de afasia

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2022 | 13h46

Amigos e colegas de profissão reagiram ao anúncio do encerramento da carreira do cartunista Angeli, feito nesta quarta-feira, 20. O artista resolveu interromper a carreira por conta de uma afasia, doença neurodegenerativa que com sua evolução impacta na comunicação, verbal e escrita.

"Angeli é um marco para o cartum e a história do humor brasileiro, é difícil resumir. Artista fundamental, um sujeito que fez uma caminhada e uma trajetória únicas", disse a colega de profissão Laerte. "Ele trouxe para a charge e para o cartum elementos dos quadrinhos, onde trabalhava personagens e cenas da vida cotidiana - urbana, principalmente. Angeli fundou uma linguagem pessoal", continuou. 

Em sua conta no Twitter, o também cartunista Adão publicou uma sequência de postagens em que faz agradecimentos ao amigo. "Obrigado pela amizade de todos esses anos. Lembro que a gente assistia à MTV e fazia comentários como se fôssemos Beavis and Butt-Head. Bons tempos", rememorou na postagem. "Obrigado pela companhia nas viagens, as visitas surpresa de madrugada, os conselhos, as conversas jogadas fora e tudo o mais. Obrigado por tudo, Angeli. Te amo, cara", disse.

Quem também comentou foi André Dahmer, que chamou Angeli de "maior chargista brasileiro vivo". O grupo de teatro Parlapatões também homenageou o artista. "Obrigado, Velho Cartunista, por sua obra genial! Por tudo que seu humor significa para história do país! Temos orgulho de levar ao teatro alguns de seus personagens", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
literaturaquadrinhosAngeliafasia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.