Todd Meier/The New York Times
Todd Meier/The New York Times

Americano Anthony Doerr vence Pulitzer de ficção com 'Toda Luz Que Não Podemos Ver'

Obra entrelaça destino de menina francesa e de jovem alemão numa França ocupada por nazistas; veja resultado de outras categorias

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

20 de abril de 2015 | 16h43

Toda Luz Que não Podemos Ver, romance best-seller do escritor americano Anthony Doerr, foi o vencedor da edição 2015 do Prêmio Pulitzer de ficção. O livro acaba de chegar às livrarias brasileiras pela Intrínseca.

Finalista também do National Book Award em 2014, o livro narra os caminhos de uma garota francesa cega e de um menino alemão, que se encontram numa França ocupada pelos nazistas enquanto tentam sobreviver à Segunda Guerra Mundial. 

Anthony Doerr, que é historiador e autor dos livros The Shell Collector e Memory Wall (contos), Four Seasons in Rome (memórias) e About Grace (romance), dedicou 10 anos a criar essa história. 

O livro concorria com Let Me Be Frank with You, de Richard Ford, The Moor's Account, de Laila Lalami, e Lovely, Dark, Deep, de Joyce Carol Oates.

Além da obra de Doerr, vencedor na categoria ficção, foram premiados Encounters at the Heart of the World: A History of the Mandan People, de Elizabeth A. Fenn (história); The Pope and Mussolini: The Secret History of Pius XI and the Rise of Fascism in Europe, de David I. Kertzer (biografia); Digest, de Gregory Pardlo (poesia); The Sixth Extinction: An Unnatural History, de Elizabeth Kolbert (não ficção geral); Anthracite Fields, de Julia Wolfe (música); e Between Riverside and Crazy, de Stephen Adly Guirgis (teatro).

Tudo o que sabemos sobre:
CulturaLiteraturaPulitzer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.