Richard Shotwell/Invision/AP
Richard Shotwell/Invision/AP

Acusado de assédio, James Dashner, autor de 'Maze Runner', diz que 'sente muito'

Escritor best-seller, ele pediu desculpas às pessoas 'afetadas' e perdeu seu agente literário

AP

15 de fevereiro de 2018 | 19h06

James Dashner, autor da série de livros juvenis Maze Runner, foi acusado de má conduta sexual e disse que "lamenta profundamente" pelas pessoas que foram "afetadas".

"Passei os últimos dias recluso para ver se eu era parte do problema. Eu acho que eu era", ele postou em sua conta do Twitter nesta quinta-feira, 15. "Eu não honrei ou entendi totalmente os limites e as dinâmicas de poder. Posso dizer, sinceramente, que eu nunca machuquei intencionalmente outra pessoa. Mas àqueles que foram afetados, eu gostaria de dizer que lamento profundamente. Estou encarando toda e qualquer crítica e acusação com muita seriedade e vou procurar orientação sobre como tratá-las."

+++ Netflix não vai alterar segunda temporada de '13 Reasons Why' após denúncias de assédio

James Dashner, Jay Ashner, autor de Thirteen Reasons Why, e outros autores populares entre os jovens leitores foram citados repetidamente em comentários num fórum no site da School Library Journal. Both Dashner e Asher foram abandonados por suas agentes. 

+++ Prefeitura vai comprar R$ 1 milhão em livros para bibliotecas em 2018, diz secretário André Sturm

O agente literário de Dashner, Michael W. Bourret, disse em um comunicado enviado à AP, na quarta-feira, 14, que "de forma alguma" ele poderia continuar representando o autor. A mais recente adaptação da série best-seller de Dashner, Maze Runner: The Death Cure, estreou no mês passado. / ​COM NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.