EFE
EFE

Acervo de Gabriel García Márquez pode ser visto gratuitamente na internet

Documentos incluem os manuscritos de 10 dos livros do autor de 'Cem Anos de Solidão'

AFP

12 Dezembro 2017 | 18h39

A Universidade do Texas colocou na internet cerca de 27 mil documentos com arquivos do escritor colombiano Gabriel García Márquez, incluindo manuscritos, cadernos, cartas e fotos, que a partir de agora estarão disponíveis para o público geral.

+++ Há 50 anos, Gabriel García Márquez lançava 'Cem Anos de Solidão'

O centro de documentação literária da Universidade do Texas, Harry Ransom Center, adquiriu por 2,2 milhões de dólares o fundo de arquivos em novembro de 2014, poucos meses após o falecimento do vencedor do prêmio Nobel na Cidade do México em 17 de abril

+++ Comemoração dos 50 anos de 'Cem Anos de Solidão' começa em Cartagena

Um buscador em espanhol e inglês, disponível no site http://www.hrc.utexas.edu/, permite ter acesso de forma gratuita ao fundo e navegar por esses arquivos, cerca da metade dos que a universidade possui e muitos dos quais são inéditos.

+++ Morre Gabriel García Márquez

Os documentos incluem os manuscritos de 10 dos livros do autor de Cem Anos de Solidão, assim como um texto de 32 páginas destinado ao segundo volume de suas memórias, que nunca foi publicado.

"Minha mãe, meu irmão e eu sempre quisemos que os arquivos do meu pai pudessem alcançar o público mais amplo possível", disse Rodrigo García, um dos filhos de Gabo, em um comunicado publicado nesta terça-feira.

+++ Biografia em quadrinhos de Gabriel García Márquez faz percurso ousado

"Em mais de meio século, esses documentos revelam a energia e disciplina de García Márquez, e dão um olhar íntimo de sua obra, família, amigos e da política", explicou Julianne Ballou, a cargo do projeto no Ransom Center.

O trabalho de digitalização levou 18 meses e foi possível graças a uma doação do Conselho de Recursos Bibliotecários e de Informação (CLIR, em inglês), um organismo independente.

Uma porta-voz da Universidade do Texas, localizada em Austin, disse à AFP que não tem previsto por enquanto digitalizar a segunda metade dos arquivos do escritor.

Além do que foi adquirido em 2014, que inclui cinco computadores e duas máquinas de escrever, a universidade computou outros documentos relacionados com García Márquez (1927-2014) de outras procedências.

A obra deste escritor ainda está protegida pelas disposições sobre propriedade intelectual e ainda não entrou em domínio público.

 

Mais conteúdo sobre:
literatura Gabriel Garcia Marquez

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.