Simplício Rodrigues de Sá
Retrato de D. Pedro I, por Simplício Rodrigues de Sá Simplício Rodrigues de Sá

Retrato de D. Pedro I, por Simplício Rodrigues de Sá Simplício Rodrigues de Sá

8 livros sobre D. Pedro I, a Independência, D. Leopoldina e Domitila

Nos 198 anos da Independência do Brasil, conheça livros que contam a história de D. Pedro 

Redação , O Estado de S. Paulo

Atualizado

Retrato de D. Pedro I, por Simplício Rodrigues de Sá Simplício Rodrigues de Sá

Entre a história oficial e a busca por novos olhares, a figura de D. Pedro I tem sido tema de diversos livros que ajudam a recuperar episódios centrais da história do Brasil - e suas consequências, sentidas até os dias de hoje.

Figura controversa, na política e na vida pessoal, o imperador já foi definido como herói da pátria ao mesmo tempo em que foi retratado como uma mistura de Don Juan e Dom Quixote, como mostram alguns dos principais livros já lançados sobre o tema.

Conheça 8 livros de não ficção e ficção sobre D. Pedro I publicados no Brasil, disponíveis em livrarais e sebos e também em e-book.

D. Pedro - A História não Contada

O pesquisador Paulo Rezzutti mostra, em D. Pedro - A História Não Contada (432 págs.; R$ 59,90; R$ 40,99 o e-book), publicado pela Leya em 2015, que D. Pedro deixou para as futuras gerações de brasileiros uma difícil tarefa: entender as muitas contradições da sua vida e extrair das suas memórias uma imagem fiel de sua personalidade, suas ideias, angústias e ambições. Para responder à questão ‘Quem foi o primeiro imperador do Brasil?’, o autor recorreu a uma ampla gama de fontes primárias e documentos originais que revelam uma miríade de facetas desconhecidas de D. Pedro, e que lhe deram acesso à história não contada do nosso primeiro monarca. No lugar da caricatura que tomou conta do imaginário nacional, o autor apresenta o homem por trás do imperador.

D. Pedro I - Um Herói Sem Nenhum Caráter

Livro de Isabel Lustosa publicado pela Companhia das Letras em 2006 (368 págs; disponível em sebos ou em e-book) analisa D. Pedro I partindo da ideia de que ele foi um herói macunaímico. De personalidade turbulenta, mal-educado e chucro, Pedro de Bragança e Bourbon tinha tudo para ser um péssimo governante. Em certo sentido o foi: dizendo-se liberal, exerceu o poder de maneira autocrática, dissolveu a Constituinte que ele mesmo convocou, humilhava os aliados e amigos, no Brasil se cercou de uma corja de dar medo, e admitia abertamente a corrupção. No plano pessoal, D. Pedro I tratava as esposas (sobretudo a primeira) e amantes (cinco, contando apenas aquelas com quem teve filhos) de maneira pouco cavalheiresca. Era duro no trato e agressivo no comportamento. Mas, apesar de tantos defeitos, o primeiro imperador acabou sendo um herói à sua maneira e foi amado pelos brasileiros. 

D. Pedro: Imperador do Brasil e Rei de Portugal

O professor de história de Portugal Eugénio dos Santos também mergulha na história de Pedro para mostrar como a figura do regente, rei e imperador continua hoje, como no seu tempo, controversa. Ele lançou em 2015, pela Alameda, D. Pedro: Imperador do Brasil e Rei de Portugal (414 págs.; R$ 69), que coloca o legado de D. Pedro em perspectiva e apresenta uma época de fervores políticos, agitações e acordos internacionais.

Titília e o Demonão – A História Não Contada: A Vida Amorosa na Corte Imperial: Mensagens de D. Pedro I à Marquesa de Santos

De 2011, Titília e o Demonão (240 págs.; R$ 44,90; R$ 30,99 o e-book)  ganhou nova edição dentro da coleção História Não Contada, da Leya. Este é o primeiro livro de Paulo Rezzutti e reconta a história de amor e paixão entre D. Pedro Pedro I e sua amante mais famosa, Domitila de Castro Canto e Melo, a marquesa de Santos. Como base, usa as cartas trocadas entre eles de 1823 a 1829, consideradas perdidas por quase dois séculos e encontradas em um arquivo nos Estados Unidos, e que o pesquisador transcreve, contextualiza e comenta. O imperador assinava suas mensagens como “O Demonão”, e Domitila era tratada por ele como “Nhá Titília”. 

A Carne e o Sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos

A historiadora Mary del Priore investiga, em A Carne e o Sangue (272 págs.; encontrado em sebos; R$ 22,50 o e-book), publicado em 2012 pela Rocco, a relação de D. Pedro I com suas mulheres. No Brasil do século 19, as esposas eram responsáveis pelos filhos e pela linhagem – portanto, pelo sangue. Enquanto isso, as amantes proporcionavam prazer - logo, a carne. A autora revela detalhes do triângulo amoroso formado por D. Pedro I, D. Leopoldina e Domitila, apresenta cartas de D.Pedro I à amante e à esposa, e de Leopoldina ao marido e à irmã. Nelas, apelidos e intrigas são apenas alguns dos ingredientes de uma trama efervescente em que erotismo e ciúme são expostos em paralelo com a história do Brasil e da cidade do Rio de Janeiro.

Biografia Íntima de Leopoldina

O cientista político Marsilio Cassotti, autor de livros sobre personagens femininas da História, faz, em Biografia Íntima de Leopoldina (304 págs.; R$ 34,90; R$ 31,90 o e-book), uma biografia romanceada de Leopoldina de Habsburgo, figura decisiva na história do Brasil pelo papel que desempenhou na Independência. A obra foi publicada pela Planeta em 2015. 

O Império é Você

O escritor espanhol Javier Moro ganhou o Prêmio Planeta com este livro e, à época, disse que sua ideia era desvendar a psique do imperador brasileiro, a quem se referiu como uma "um homem metade Don Juan, metade Dom Quixote" e “uma figura contraditória, desconcertante, insólita e muito difícil de definir". O romance O Império é Você (496 págs.; R$ 65,90; R$ 52,90 o e-book), lançado pela Planeta em 2012, narra a epopeia do nascimento do Brasil e o do homem que mudou sua história.

1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil

Fenômeno de vendas e premiado com o Jabuti, 1808, livro com o qual Laurentino Gomes deu início à sua festejada trilogia sobre a história do Brasil, parte da chegada da família real ao Brasil e narra o que se sucedeu até a Independência do Brasil. 1808 (384 págs.; R$ 54,90; R$ 32,90 o e-book) foi publicado originalmente pela Planeta em 2007 e relançado pela Globo Livros, que publicou ainda 1822 e 1889.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.