TT News Agency/Jonas Ekstromer
TT News Agency/Jonas Ekstromer

8 curiosidades sobre o Prêmio Nobel de Literatura e a Academia Sueca

Em 2018, Academia Sueca, que enfrenta denúncias de assédio sexual, não vai conceder o Prêmio Nobel de Literatura

Redação, O Estado de S. Paulo

05 Maio 2018 | 06h00

Em meio a escândalos de assédio sexual, a Academia Sueca anunciou na sexta-feira, 4, que vai adiar a escolha do Prêmio Nobel de Literatura de 2018 e, em 2019, vai premiar dois escritores de uma só vez.

Veja 8 curiosidades sobre o Prêmio Nobel de Literatura e a Academia Sueca

1. Adiamentos

A Academia Sueca ‘adiou’ a entrega do Prêmio Nobel de Literatura em sete ocasiões: 1915, 1919, 1925, 1926, 1927, 1936 e 1949. O vencedor deste último ano, William Faulkner, é o Nobel de 1949, mas recebeu o prêmio em 1950 

 

2. Cancelamentos

O Nobel não foi entregue em outros sete anos, a maioria deles durante as guerras mundiais: 1914, 1918, 1935, 1940, 1941, 1942 e 1943. O motivo do prêmio de 1935 não ter sido entregue nunca foi revelado 

 

3. Justificativa

O estatuto da Fundação Nobel diz: “Se nenhum dos trabalhos é considerado da importância indicada, o prêmio em dinheiro é reservado até o ano seguinte. Se, mesmo assim, o prêmio não puder ser entregue, o montante deve ser adicionado aos fundos restritos da Fundação” 

 

4. No total

Considerando as outras categorias (como medicina, física e paz), o Nobel não foi entregue em 49 ocasiões 

 

5. Economia

O de Economia, que começou em 1968 e não está diretamente ligado ao testamento de Alfred Nobel, foi entregue todos os anos desde então 

 

6. Divididos

Também houve quatro vezes em que o Nobel de Literatura foi dividido: 1904 (Frédéric Mistral e José Echegaray), 1917 (Karl Gjellerup e Henrik Pontoppidan), 1966 (Shmuel Agnon e Nelly Sachs) e 1974 (Eyvind Johnson e Harry Martinson). A Academia diz que o fato de o prêmio raramente ser dividido se deve “à própria natureza da literatura”, enquanto em outras áreas o fato é mais comum 

 

7. Recusa

Dois autores recusaram o Nobel de Literatura. Boris Pasternak, em 1958, que havia aceitado, mas depois foi forçado pelas autoridades da antiga União Soviética a rejeitar o prêmio. E Jean-Paul Sartre, em 1964, pois era seu costume e princípio não aceitar honrarias oficiais 

 

8. Propostas

A cada ano, a instituição recebe cerca de 350 propostas de candidaturas procedentes de premiados, acadêmicos, organizações e outros profissionais do meio literário e linguístico. As candidaturas precisam ser renovadas ano a ano, até o dia 1º de fevereiro, e os candidatos devem ser escritores vivos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.