Nem de Tal/Estadão
Nem de Tal/Estadão

5 poemas para celebrar os 117 anos de Carlos Drummond de Andrade

Veja a programação do Dia D, que homenageia o poeta morto em 1987, leia 'José', 'Congresso Internacional do Medo', 'Poema de sete faces', 'Sentimento do mundo' e 'A máquina do mundo' e vote no melhor

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

31 de outubro de 2019 | 08h10

No dia do aniversário de um dos maiores poetas brasileiros, o mineiro Carlos Drummond de Andrade (1902-1987), o Instituto Moreira Salles, detentor de seu acervo, promove o Dia D em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Poços de Caldas (veja a agenda abaixo), o Google dedica seu doodle ao autor de A Rosa do Povo e o Estado celebra o poeta com 5 de seus poemas mais importantes.

 

 

José

E agora, José?

 festa acabou,

a luz apagou,

o povo sumiu,

a noite esfriou,

e agora, José?

e agora, você?

você que é sem nome,

que zomba dos outros,

você que faz versos,

que ama, protesta?

e agora, José?

Está sem mulher,

está sem discurso,

está sem carinho,

já não pode beber,

já não pode fumar,

cuspir já não pode,

a noite esfriou,

o dia não veio,

o bonde não veio,

o riso não veio,

não veio a utopia

e tudo acabou

e tudo fugiu

e tudo mofou,

e agora, José?

E agora, José?

Sua doce palavra,

seu instante de febre,

sua gula e jejum,

sua biblioteca,

sua lavra de ouro,

seu terno de vidro,

sua incoerência,

seu ódio — e agora?

Com a chave na mão

quer abrir a porta,

não existe porta;

quer morrer no mar,

mas o mar secou;

quer ir para Minas,

Minas não há mais.

José, e agora?

Se você gritasse,

se você gemesse,

se você tocasse

a valsa vienense,

se você dormisse,

se você cansasse,

se você morresse...

Mas você não morre,

você é duro, José!

Sozinho no escuro

qual bicho-do-mato,

sem teogonia,

sem parede nua

para se encostar,

sem cavalo preto

que fuja a galope,

você marcha, José!

José, para onde?

(Na última edição da Festa Literária Internacional de Paraty, José Miguel Wisnik, autor de Maquinação do Mundo, sobre a relação de Drummond com a mineração, e com a Vale, disse que 'E agora, José' é a pergunta que o Brasil vive)

 

Congresso Internacional do Medo

Provisoriamente não cantaremos o amor,

que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.

Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços,

não cantaremos o ódio, porque este não existe,

existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro,

o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,

o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,

cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,

cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte.

Depois morreremos de medo

e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas.

 

 

Poema de sete faces

Quando nasci, um anjo torto

desses que vivem na sombra

disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens

que correm atrás de mulheres.

A tarde talvez fosse azul,

não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas:

pernas brancas pretas amarelas.

Para que tanta perna, meu Deus,

pergunta meu coração.

Porém meus olhos

não perguntam nada.

O homem atrás do bigode

é sério, simples e forte.

Quase não conversa.

Tem poucos, raros amigos

o homem atrás dos óculos e do bigode.

Meu Deus, por que me abandonaste

se sabias que eu não era Deus

se sabias que eu era fraco.

Mundo mundo vasto mundo,

se eu me chamasse Raimundo

seria uma rima, não seria uma solução.

Mundo mundo vasto mundo,

mais vasto é meu coração.

Eu não devia te dizer

mas essa lua

mas esse conhaque

botam a gente comovido como o diabo.

 

Sentimento do mundo

Tenho apenas duas mãos

e o sentimento do mundo,

mas estou cheio de escravos,

minhas lembranças escorrem

e o corpo transige

na confluência do amor.

Quando me levantar, o céu

estará morto e saqueado,

eu mesmo estarei morto,

morto meu desejo, morto

o pântano sem acordes.

Os camaradas não disseram

que havia uma guerra

e era necessário

trazer fogo e alimento.

Sinto-me disperso,

anterior a fronteiras,

humildemente vos peço

que me perdoeis.

Quando os corpos passarem,

eu ficarei sozinho

desfiando a recordação

do sineiro, da viúva e do microscopista

que habitavam a barraca

e não foram encontrados

ao amanhecer

esse amanhecer

mais noite que a noite.

 

A máquina do mundo

E como eu palmilhasse vagamente

uma estrada de Minas, pedregosa,

e no fecho da tarde um sino rouco

se misturasse ao som de meus sapatos

que era pausado e seco; e aves pairassem

no céu de chumbo, e suas formas pretas

lentamente se fossem diluindo

na escuridão maior, vinda dos montes

e de meu próprio ser desenganado,

a máquina do mundo se entreabriu

para quem de a romper já se esquivava

e só de o ter pensado se carpia.

Abriu-se majestosa e circunspecta,

sem emitir um som que fosse impuro

nem um clarão maior que o tolerável

pelas pupilas gastas na inspeção

contínua e dolorosa do deserto,

e pela mente exausta de mentar

toda uma realidade que transcende

a própria imagem sua debuxada

no rosto do mistério, nos abismos.

Abriu-se em calma pura, e convidando

quantos sentidos e intuições restavam

a quem de os ter usado os já perdera

e nem desejaria recobrá-los,

se em vão e para sempre repetimos

os mesmos sem roteiro tristes périplos,

convidando-os a todos, em coorte,

a se aplicarem sobre o pasto inédito

da natureza mítica das coisas,

assim me disse, embora voz alguma

ou sopro ou eco o simples percussão

atestasse que alguém, sobre a montanha,

a outro alguém, noturno e miserável,

em colóquio se estava dirigindo:

“O que procuraste em ti ou fora de

teu ser restrito e nunca se mostrou,

mesmo afetando dar-se ou se rendendo,

e a cada instante mais se retraindo,

olha, repara, ausculta: essa riqueza

sobrante a toda pérola, essa ciência

sublime e formidável, mas hermética,

essa total explicação da vida,

esse nexo primeiro e singular,

que nem concebes mais, pois tão esquivo

se revelou ante a pesquisa ardente

em que te consumiste… vê, contempla,

abre teu peito para agasalhá-lo.”

As mais soberbas pontes e edifícios,

o que nas oficinas se elabora,

o que pensado foi e logo atinge

distância superior ao pensamento,

os recursos da terra dominados,

e as paixões e os impulsos e os tormentos

e tudo que define o ser terrestre

ou se prolonga até nos animais

e chega às plantas para se embeber

no sono rancoroso dos minérios,

dá volta ao mundo e torna a se engolfar

na estranha ordem geométrica de tudo,

e o absurdo original e seus enigmas,

suas verdades altas mais que tantos

monumentos erguidos à verdade;

e a memória dos deuses, e o solene

sentimento de morte, que floresce

no caule da existência mais gloriosa,

tudo se apresentou nesse relance

e me chamou para seu reino augusto,

afinal submetido à vista humana.

Mas, como eu relutasse em responder

a tal apelo assim maravilhoso,

pois a fé se abrandara, e mesmo o anseio,

a esperança mais mínima — esse anelo

de ver desvanecida a treva espessa

que entre os raios do sol inda se filtra;

como defuntas crenças convocadas

presto e fremente não se produzissem

a de novo tingir a neutra face

que vou pelos caminhos demonstrando,

e como se outro ser, não mais aquele

habitante de mim há tantos anos,

passasse a comandar minha vontade

que, já de si volúvel, se cerrava

semelhante a essas flores reticentes

em si mesmas abertas e fechadas;

como se um dom tardio já não fora

apetecível, antes despiciendo,

baixei os olhos, incurioso, lasso,

desdenhando colher a coisa oferta

que se abria gratuita a meu engenho.

A treva mais estrita já pousara

sobre a estrada de Minas, pedregosa,

e a máquina do mundo, repelida,

se foi miudamente recompondo,

enquanto eu, avaliando o que perdera,

seguia vagaroso, de mão pensas.


 

Programação do Dia D 2019

São Paulo

Cabaré modernista para Carlos Drummond de Andrade

Com roteiro e direção de Eucanaã Ferraz e direção musical de Bruno Cosentino, a apresentação traz ao palco as cantoras Lívia Nestrovski e Numa Ciro, acompanhadas por Claudia Castelo Branco (piano) e Aline Gonçalves (clarinete, clarone e flauta). Serão recitados poemas de Drummond, em diálogo com canções de Noel Rosa, Belchior, Milton Nascimento, entre outros, numa união entre música e poesia.

31 de outubro, às 20h30, no Cineteatro. Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Vendas antecipadas no site Eventbrite ou no próprio dia do evento na bilheteria do centro cultural

IMS Paulista

Avenida Paulista, 2424

São Paulo

Tel.: (11) 2842-9120

Rio de Janeiro

Recital Nosso tempo

A apresentação será conduzida pela cantora Olivia Byington, pelo ator e violonista Rodrigo Lima, e pela atriz Bianca Byington, que também assina a direção do espetáculo. Durante o recital, os três interpretarão crônicas, canções e poemas do escritor.

31 de outubro, às 20h, no auditório. Entrada gratuita, com distribuição de senhas 30 minutos antes e limite de 1 senha por pessoa

IMS Rio

Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea

Rio de Janeiro

Tel.: (21) 3284-7400

Poços de Caldas

Carrossel poético de Drummond

Em parceria com o docente de literatura Sérgio Roberto Montero Aguiar e Valéria dos Santos Rêgo, professora da Escola Municipal Vitalina Rossi, o evento será em torno da obra Nova reunião – 19 livros de poesia 1. No primeiro momento, Montero Aguiar discorrerá sobre o livro. Em seguida, um grupo de estudantes da Escola Municipal Vitalina Rossi fará uma leitura dramática dos poemas.

31 de outubro, às 19h. Entrada gratuita

IMS Poços

Rua Teresópolis, 90, Jd. dos Estados

Poços de Caldas - MG

Tel.: (35) 3722-2776

 

Tudo o que sabemos sobre:
Carlos Drummond de Andradepoesia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.