Ivan Dias/AE
Ivan Dias/AE

Ziraldo e o seu réquiem de amor

Em Menina Nina, livro que ganha versão para o palco, autor trata da morte pelo ponto de vista de uma criança

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2011 | 00h00

Quando perdeu a mulher Vilma, Ziraldo viu-se compelido a prestar-lhe uma homenagem. Na hora de elaborar a morte da companheira de 47 anos, pensou em todas as homenagens que os artistas costumam render às suas amadas. Revisitou sonetos. Lembrou-se de réquiems famosos, de canções. "Mas me dei conta que a única coisa que sei fazer é escrever para crianças, e foi isso que eu fiz", comenta o autor de Menino Maluquinho.

Em 2002, Ziraldo lançou Menina Nina: Duas Razões para Não Chorar. Agora, o livro, que costuma ser apontado como a mais tocante de suas obras, ganha versão teatral. A estreia está marcada para amanhã, no Sesc Pinheiros.

Voltados para o público infantil, tanto o livro quanto a peça tratam da morte privilegiando o ponto de vista de uma garotinha. Foi pensando em confortar Nina, a primogênita de seus cinco netos, que o caricaturista e escritor concebeu o volume. "O único dos meus livros que ainda não tinha virado peça de teatro", lembra ele. "Todos os meus "meninos" já foram para o palco. Faltava a menina."

Quem aparece à frente da empreitada é o diretor Joaquim Goulart. Antigo ator da Cia. de Ópera Seca, de Gerald Thomas, Goulart construiu uma consistente carreira no teatro adulto, assinando espetáculos que se destacaram, como Bartleby.

Sua única experiência com as encenações para crianças foi em 1994, com o musical Cegonha, Avião... Mentira Não! "Ali, falava sobre o nascimento. Tinha planos de fazer um espetáculo que tratasse também da morte", diz o diretor.

Velho conhecido da família Alves Pinto, Goulart convocou também dois filhos do casal para fazerem parte da montagem: Daniela Thomas assina o cenário e Antônio Pinto compõe um canção original para a peça. "Será a primeira vez que os filhos participam de uma peça sobre um livro meu. Vai ser uma celebração", comenta Ziraldo, que diz não ter tomado parte nos ensaios ou no processo de adaptação para não cair na tentação de dar palpites.

O enredo de Menina Nina foca a intensa relação entre uma neta e sua avó. E tenta dar conta das dificuldades de lidar com a perplexidade que o luto pode despertar em uma criança. "Me chama a atenção o fato de esse tema ainda ser um tabu. Nunca estamos preparados para a morte. Ziraldo consegue tratar do assunto com muita delicadeza", aponta Goulart.

Para interpretar a protagonista Nina, o diretor escalou a atriz mirim Pietra Pan, que deve dividir a cena com dois veteranos.

Selma Egrei aparece na pele de Vivi, uma avó deslumbrada por sua primeira neta. Já Luciano Chirolli, que acaba de ser premiado com o Shell de melhor ator de 2010, surge como o avô Ziraldo. Aquele que vai ensinar à sua netinha que ela tem ao menos duas razões para não chorar mais.

QUEM É

ZIRALDO

ESCRITOR , JORNALISTA E CARICATURISTA

Nascido em Caratinga, Minas Gerais, Ziraldo começou sua carreira nos anos 1950. Fez sucesso em 1960 com a Turma do Pererê. É um dos fundadores do Pasquim e responsável por um dos maiores fenômenos editoriais do País, o livro O Menino Maluquinho.

MENINA NINA

Sesc Pinheiros.

Rua Paes Leme, 195, 3095-9400, Sáb., às 16 h; dom., às 11 h e 16 h. Recomendado a partir de 7 anos. Até 10/4.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.