Zélia Gattai sai da UTI, mas continua internada

A escritora Zélia Gattai, de 89 anos, foi transferida da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Aliança para uma unidade semi-intensiva, mas não recebeu alta hoje, como chegou a ser aventado pela equipe médica que a assiste. Ontem, a escritora que é viúva de Jorge Amado, um dos mais renomados escritores brasileiros, sentiu-se mal, com falta de ar e foi internada às pressas. Zélia apresentava presença de líquido nos pulmões (edema pulmonar), provocado pelo mau funcionamento da válvula mitral. A crise foi controlada com medicação e o cardiologista Jadelson Andrade, médico da família, optou por deixá-la internada por algum tempo sob observação. A filha da escritora, Paloma Amado garantiu que a mãe encontra-se bem-humorada por saber que deixará o hospital antes do Réveillon. "Vamos passar a virada do ano na casa do meu irmão (João Jorge) com netos e bisnetos, vai ser ótimo", disse. De acordo com o boletim médico divulgado hoje pelo Hospital Aliança, o estado de saúde de Zélia evoluiu "com estabilidade clínica hemodinâmica, nas últimas 12 horas. Níveis de pressão arterial normalizados, função respiratória estabilizada e uso de oxigênio por cateter, mantendo-se hoje já sentada em poltrona". Zélia Gattai, autora de 13 livros, entre eles Anarquistas, graças a Deus, seu primeiro romance, publicado em 1979, integra a Academia Brasileira de Letras desde dezembro de 2001, quando passou a ocupar a cadeira de número 23, que pertenceu a seu marido, falecido em agosto do mesmo ano, com quase 89 anos. Jorge Amado escreveu 40 romances traduzidos em 54 línguas em 60 anos de carreira. Veja especial Jorge Amado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.