Zélia Gattai lamenta ausência na abertura da Flip

Disposição não faltou, mas a saúde pregou uma peça na escritora Zélia Gattai, que planejava participar da abertura da Flip, na homenagem a Jorge Amado - no fim de julho, ela passou três dias no hospital depois de sofrer uma queda e machucar o quadril, o tórax e fraturar o dedo da mão. "Não terei condições de estar presente por recomendações médicas, mas serei representada por Programa Educativo Cirandas de Paraty. A programação infantil e juvenil que acontece na Tenda Azul, carinhosamente conhecida como Flipinha, também fará várias homenagens ao escritor."O tempo age no sentido de efetuar uma certa decantação e as opiniões mais emocionais sobre seus escritos já tiveram algum tempo para assentar, turvando menos as águas que as envolvem", escreveu Ana Maria Machado, autora do livro "Romântico, Sedutor e Anarquista - Como e Por Que Ler Jorge Amado" nesta quarta-feira, recentemente lançado pela Objetiva. Ana Maria também participaria da homenagem ao autor de "Dona Flor e Seus Dois Maridos", mas compromissos inadiáveis impediram sua presença.Com mais de 20 milhões de exemplares já vendidos no Brasil, Amado inspira uma edição da Flip dedicada à diversidade. E ainda há ingressos para todas as mesas.

Agencia Estado,

09 de agosto de 2006 | 11h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.