YouTube e Universal negociam site de clipes, dizem fontes

O YouTube e o Universal Music Group estão discutindo a criação de um site de videoclipes, disseram fontes próximas ao projeto. O serviço representaria um importante passo nos planos do Google para que o YouTube gere renda. O site de vídeos foi adquirido em 2006 por 1,65 bilhão de dólares. Seria também uma mudança na tumultuada relação do YouTube com o setor da mídia, que em várias ocasiões pede que o site retire videoclipes e trechos de programas de TV colocados por usuários sem consentimento dos seus proprietários. A Universal, maior gravadora do mundo, e o YouTube, site de vídeos número 1 dos EUA, discutem a criação de um site à parte que iria mostrar vídeos de artistas da Universal, segundo três fontes que não estão autorizadas a falar publicamente sobre o assunto. Idealmente, o site seria depois ampliado para incluir vídeos de outras grandes gravadoras --Sony, EMI e Warner--, num conceito semelhante ao dos programas de TV disponíveis no site Hulu.com, sociedade entre NBC Universal e News Corp.. Muitos detalhes financeiros e administrativos ainda estão sendo discutidos, segundo as fontes. Uma delas disse que as negociações "literalmente acabaram de começar". Tratado provisoriamente com o nome "Vevo", o novo site teria conteúdo musical "premium", destinado a angariar mais faturamento publicitário do que o YouTube. As gravadoras normalmente recebem uma parte do faturamento publicitário associado a vídeos do YouTube, bem como um fixo por cada execução. O YouTube, que mistura conteúdo profissional e vídeos de usuários, teve mais de 100 milhões de espectadores em janeiro, segundo a empresa comScore. O Hulu também se popularizou rapidamente, aparecendo em sexto lugar nos EUA em janeiro, com 24,4 milhões de espectadores. O Vevo poderia ter outras fontes de faturamento, por meio da venda de ingressos para shows e produtos, disseram as fontes. Uma das fontes disse que a negociação entre YouTube e Universal (que tem artistas como Kanye West, U2 e Amy Winehouse) para um site envolvendo todas as grandes gravadoras está suspensa por causa dos desentendimentos entre o site de vídeos e a Warner. Em dezembro, essa gravadora exigiu que o YouTube retirasse do site todos os vídeos com seus artistas, depois do rompimento de negociações entre as partes. O atual contrato de licenciamento da Warner com o YouTube expira ao final do mês, e um novo contrato deve valer para abril. A EMI também está negociando a renovação com o YouTube, algo que a Sony fez em fevereiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.