YouTube começa a passar programas da CBS na íntegra

O YouTube, maior site de compartilhamento de vídeos da Internet, começou a disponibilizar programas inteiros do arquivo da CBS Corp., em mais uma iniciativa no sentido de incluir programação profissional e atrair anunciantes para o site. Na sexta-feira, o YouTube, subsidiária do Google Inc., anunciou contatos com outras redes norte-americanas para exibir programas na íntegra. Várias redes já disponibilizam trechos no site, que também abriga o conteúdo produzido por milhões de amadores no mundo. Episódios inteiros (20 a 48 minutos) de vários seriados da CBS, como "Jornada nas Estrelas" e "Barrados no Baile", já estão disponíveis no YouTube. Eles vêm com uma tarja para distinguir o programa integral dos clipes, e poderão ser vistos no novo modo "cinema". Embora a maioria do seu conteúdo ainda sejam vídeos com até dez minutos, nos últimos meses o site vem tentando incorporar programas integrais dos canais a cabo HBO, da Time Warner, e Showtime, da própria CBS. A nova parceria coloca o YouTube em competição mais direta com o Hulu, novo site da NBC Universal, com a íntegra de programas das redes Fox, NBC e CBS, além de um canal YouTube, com versões resumidas dos seus próprios programas. Mas a audiência do YouTube é muito maior que a do Hulu. Em agosto, o YouTube teve mais de 330 milhões de usuários, segundo a auditoria da empresa comScore. O Hulu teve apenas 3,3 milhões de usuários. Mas, mesmo recebendo 13 horas de vídeo por minuto, o YouTube sofre para estabelecer um modelo publicitário forte, que justifique os 1,65 bilhão de dólares que o Google pagou pelo site em 2006. Os anunciantes relutam em associar suas marcas com as imagens granuladas e amadoras da maioria dos vídeos. Em parte por isso, os executivos do site buscam acordos para ampliar sua parceria com as empresas do setor de mídia. Além disso, o Google e o YouTube enfrentam um processo de 1 bilhão de dólares da Viacom por violação de direitos autorais, por causa da inclusão no site de material dessa empresa sem a respectiva permissão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.