Yeltsin lança livro de memórias

As memórias de Boris Yeltsin chegaram nesta terça-feira à livrarias moscovitas. No livro de 428 páginas o ex-presidente da Rússia conta a história do homem que levou a Rússia ao capitalismo em meio a disputas internas, lutas com inimigos políticos e contra seus próprios instintos autoritários.Os jornais russos informaram que o livro A Maratona Presidencial pode virar um best-seller no país. A versão em inglês, intitulada Diários da Meia-noite será lançada no fim do mês durante a feira do livro de Frankfurt. No livro, Yeltsin declara que ficou tentado mandar tanques de guerra às ruas nas eleições presidencias de 96, quando temia que o Patido Comunistas pudesse voltar a ocupar o comando da nação."Uma série de decretos estava preparada, incluindo a proibição do Partido Comunista, a dissolução do parlamento e a revogação das eleições presidenciais", escreve.Yeltsin diz em suas memórias: "Descrevi para mim mesmo a situação da seguinte maneira: ao preço de... violar a Constituição, posso resolver um dos meus principais objetivos estabelecidos no começo do mandato. Um passo como esse acabará para sempre com o Partido Comunista".Boris Yeltsin explica que se sentiu seguro deixando os símbolos do poder da Rússia, incluindo a "mala" nuclear, nas mãos do atual presidente, Putin, quando se demitiu. "Me desfiz de tudo e agora não tenho que depender do "botão" nuclear. Talvez isso me permita dormir melhor", escreveu.

Agencia Estado,

11 de outubro de 2000 | 00h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.