Yabany inova a culinária japonesa

O Yabany foi montado com grande cuidado, e impressiona principalmente pelas instalações grandiosas, modernas e propõe alguns sushis criativos, que se afastam das tradições, utilizando alguns ingredientes e temperos nada habituais, como o molho de pimenta Tabasco. O restaurante está totalmente inserido no contexto de uma região bastante badalada do Itaim-Bibi e começa a impressionar muito bem pelo jardim elegante, de estilo japonês da entrada, com vários bonsais, folhagens cuidadosamente podadas e chão com pedrinhas brancas. Depois, o salão realmente espaçoso, moderno, meio escurinho, pé-direito altíssimo, teto que deixa ver o céu. Na frente, uma mesa para grupos maiores de madeira pesada e outras de vidro jateado com serviços americanos e cadeiras modernas, de plástico cor-de-laranja. Um grande balcão acompanha uma das laterais do restaurante. No fundo, uma reprodução na parede de um massu, a taça ritual do saquê, com água transbordando. Há ainda um outro salão num mezanino. Serviço razoável e cardápio grande, como de hábito entre os restaurantes japoneses, tendo os sushis e sashimis como os destaques. O sushimam Gereka trabalhou no Koi e, a julgar pelo combinado do chef (R$ 48,30 para uma pessoa, R$ 96,60 para duas pessoas e R$ 144,90 para três pessoas), gosta mesmo de inventar, de novidades, dos sushis modernos, com ingredientes populares, como maionese e queijo cremoso, mas que se afastam das tradições japonesas. Gostoso, o hot roll (que custa R$ 20,80 se pedido individualmente), uma espécie de tempurá de sushi, no qual o arroz fica por fora e é empanado e frito. Ele é feito com salmão, kani, pepino, queijo cremoso e molho tarê, meio adocicado. Curioso o acelgamaki de salmão, um sushi de salmão picadinho, maionese e cebolinha envolto na acelga cozida e com molho de pimenta Tabasco. O toque picante fica meio deslocado num sushi. Gereka dedica um capítulo de cinco pratos a esses acelgamakis e outro com nove pratos para os especiais da casa, como o yabany (empanado de salmão com recheio de camarão e shimeji coberto com molho tarê, R$ 21,80); himaki (enrolado de salmão flambado com recheio de shimeji, R$ 15,80) e osamakami (enrolado e empanado de alga e arroz com recheio de salmão e queijo cremoso, R$ 17,80). O Yabany pode agradar aos que gostam dessas novidades, mas os melhores sushis provados foram os tradicionais, os do tipo niguiri, moldados com a mão, como o de salmão (R$ 6,80 o par); atum (R$ 8,15 o par) e enguia (R$ 12,10 o par). Meio neutro, com pouco wasabi o sushi de robalo (R$ 6,80). Polvo macio, mas com gergelim interferindo bastante no paladar (R$ 8,15). O restaurante faz ainda vários pratos quentes, entre os quais preparações já consagradas, como o shitake no alumínio (R$ 19,80); os espetinhos do tipo robata (salmão, R$ 6,50, brócolis, R$ 4,50 e outros), grelhados na chapa e alguns pratos peculiares, como o badejo sweet (peixe grelhado com molho doce e risoto de shimeji, R$ 38,60).O salmão grelhado passou do ponto, meio seco (R$ 24,60). Ele é servido com alcaparras e legumes ótimos, al dente e saborosos (brócolis, couve-flor e ervilha torta). Yabany - R. Prof. Atílio Inocenti, 53, tel. 3078-7773. De 2.ª a 4.ª, das 12 às 24h. De 5.ª a sáb., das das 12 à 1h. Estac.: R$ 5 no almoço e R$ 7 no jantar

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.