Xuxa Park: sete ainda estão internados

Sete pessoas que se feriram no incêndio ocorrido na noite de quinta-feira, durante a gravação do programa Xuxa Park, no Centro de Produção da Rede Globo (Projac), continuam internadas em centros de tratamento intensivos (CTIs) de três hospitais cariocas. Dois deles estão em estado grave: a menina Thamires Gomes Valleja, de 7 anos, que teve queimaduras em 40% do corpo e das vias aéreas, está no Hospital da Base Aérea do Galeão, sedada e respirando com auxílio de equipamentos. Na clínica Barra d´Or, o segurança de Xuxa, Lenilson de Oliveira também está sedado e respira artificialmente, embora tenha apresentado melhoras nos brônquios, atingidos por queimaduras provocadas pela fumaça.Na Clínica São Vicente, o menino Marcus Vinícius Alves, de 5 anos, tinha previsão de ser transferido do CTI para a unidade de tratamento de queimados ontem à tarde. Ele queimou 40% do corpo, especialmente rosto, pernas e braços, mas estava consciente, tomando analgésicos e sendo sedado apenas para fazer os curativos. O padrinho dele, Reinaldo Alves, o mestre-sala Ronaldinho do Salgueiro, também estava na unidade de tratamento de queimados, com os braços e parte do rosto queimados. "Vamos colocá-los numa unidade integrada para melhorar o estado psicológico do menino", disse o chefe do setor de queimados da São Vicente, Marco Aurélio Pellon. Ele disse que ainda é cedo para saber se o menino precisará fazer plástica futuramente.As outras vítimas internadas são Silvana Oliveira Souza, de 38 anos; Renato Ferreira da Silva, de 30 anos; Flávio Luiz Olímpio de Souza, de 16 anos, e Maria Cristina Resende de Araújo, de 36 anos. Todos eles estão sedados e respirando com auxílio de aparelhos. Nenhum dos oito feridos - incluindo Marcus Vinícius - têm previsão de alta. A Rede Globo, está se responsabilizando financeiramente pelo tratamento de todos eles e, ontem, não veiculou o programa Xuxa Park, que foi substituído pela transmissão de uma partida da Copa Intercontinental de Futebol de Areia e por desenhos animados. Segundo a Rede Globo, Xuxa continua abalada com o incêndio, mas não pretendia visitar as vítimas este fim de semana.Sonho e pesadelo - Para a maioria dos feridos no incêndio, ir ao programa da Xuxa era um sonho acalentado há muito tempo. A menina Thamires, por exemplo, interrompeu as férias com a família em Cabo Frio, na Região dos Lagos, para participar da gravação. Ficar em cima da roda gigante que fazia parte do cenário foi um pedido dela e também o motivo da demora (pequena, embora grave) para ela ser tirada do meio do incêndio. Já o segurança Oliveira, trabalha com Xuxa há 15 anos e é considerado um profissional modelo. Tanto que poderia ter saído imediatamente do local do incêndio, mas voltou para buscar Thamires e sofreu queimadura graves no corpo e nas vias respiratórias. Marcus Vinícius, que deve deixar o CTI hoje, também é fã da apresentadora. Seu padrinho, Ronaldinho do Salgueiro, já havia encerrado sua participação no programa, mas o menino insistiu em ficar na roda gigante até o fim da gravação. Na hora do incêndio, por volta de 20h45m, havia cerca de 300 pessoas no estúdio do Projac, o centro de produção da Rede Globo, construído há cinco anos, no bairro de Jacarepaguá, na zona oeste. Dois terços eram crianças e cem eram adultos que as acompanhavam ou da produção da Xuxa. A polícia esteve periciando o estúdio durante sete horas na sexta-feira e amanhã começou a ouvir testemunhas do acidente.Visitas - Xuxa Meneghel está em contato constante com as famílias das vítimas do incêndio no Projac. Segundo sua empresária, Marlene Mattos, estes contatos têm sido a coisa mais importante para melhorar o estado de espírito de Xuxa."As famílias estão dando muita força para Xuxa e isto está a deixando melhor", disse Marlene Matos. Na noite de ontem, Xuxa foi ao hospital Barra D´ Or - onde estão cinco das 10 vítimas do incêndio ainda internadas - pelo terceiro dia consecutivo para visitar os pacientes e conversar com os familiares deles.Marlene conta que a apresentadora ainda está "muito deprimida e muito triste". "(O acidente) É uma coisa muito diferente da alegria com que Xuxa sempre esteve acostumada a conviver", diz a empresária. Mas Marlene ressalta que a filha da apresentadora, Sasha Meneghel, está sendo preservada dos problemas.De acordo com a empresária, Xuxa ainda não pensa em voltar a trabalhar. "Nossa única preocupação agora é a saúde das vítimas", afirmou.O quadro dos cinco pacientes no Barra D´ Or é descrito no boletim médico como "grave, com insuficiência respiratória aguda por inalação de gases aquecidos". Célia Maria de Araújo recebeu alta ontem do Hospital Barra D´ Or.Mariana Araújo, de 6 anos de idade, foi transferida na noite de sábado do Centro Pediátrico da Lagoa para o Hospital Copa D´Or, em Copacabana. "No momento (a paciente) encontra-se clinicamente estável, respirando livremente sem auxílio de equipamento e mantendo boa oxigenação", informa o boletim médico do hospital.Na Clínica RioMar, em Jacarepaguá (Zona Oeste do Rio de Janeiro), está internada Maise Morse Lemos de Mattos.Na noite de sábado o Instituto de Criminalistica Carlos Éboli liberou o estúdio onde era gravado o programa Xuxa Park para que a Rede Globo possa iniciar os trabalhos de reconstrução. Os perítos constataram que o incêndio começou pela parte de cima da nave espacial cenográfica, porque a base do cenário estaca intacta."Acreditamos que um pingo incandescente de plástico tenha caído sobre a nave e provocado o incêndio", disse o chefe da Polícia Civil no Rio de Janeiro, delegado Álvaro Lins. Ontem, a primeira edição do jornal RJ-TV informou que os censores do estúdio F do Projac registravam que o incêncio começou às 21h04m e que os bombeiros foram chamados quatro minutos depois. No entanto, o relações-pública da corporação, coronel Jorge Lopes, criticou a emissora por ter demorado a comunicar o incêndio. Segundo ele, 29 minutos se passaram entre o início do fogo e o chamado da emissora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.