Divulgação
Divulgação

Woody Allen desembarca na Itália com diversão garantida na bagagem

Novo filme do diretor americano, 'Para Roma com Amor' estreia neste fim de semana nos cinemas

LUIZ CARLOS MERTEN - O Estado de S.Paulo,

28 de junho de 2012 | 03h09

Como turista - nada acidental -, Woody Allen prossegue com sua volta ao mundo e, após Londres, Barcelona e Paris, desembarca em Roma, à espera do Rio e de Tóquio. Para Roma com Amor está mais para Vicky Cristina Barcelona do que para Match Point e Meia-Noite em Paris e os admiradores do segundo com certeza vão se decepcionar com a nova comédia do grande diretor, mas há que relativizar a decepção. Para Roma com Amor tem o efeito de uma bomba retardada e uma ou duas semanas depois de ver o filme você se surpreenderá com piadas que nem pareceram tão divertidas na hora.

Se há uma coisa de que Woody Allen não tem medo é de cartão-postal. Ele começava Meia-Noite em Paris com as imagens mais batidas da capital francesa - Torre Eiffel, Arco do Triunfo, bateaux mouches no Sena. Para Roma com Amor, abre-se no carrossel da Piazza del Poppolo, onde o guarda de trânsito interrompe sua função para falar diretamente com o espectador - e, ao fazer isso, provoca um acidente. Você era capaz de jurar que isso poderia ocorrer. Allen deve ter se perguntado - por que evitar o clichê? Ele prossegue com outros. A trilha é recheada de standards que você ouve em qualquer pizzaria da 13 de Maio e, sim, há um cantor de ópera, daqueles que são bons somente no chuveiro.

O próprio Allen faz um dos protagonistas, o pai da garota, também turista, que iniciou romance com um ragazzo de Roma. Allen, no filme, é casado com Judy Davis, umas de suas atrizes preferidas. E é diretor de vanguarda, atraído por ópera. O pai do namorado canta no chuveiro, vocês podem imaginar o que vai resultar daí. Como um só Woody Allen não bastava, o ator, diretor e roteirista multiplica-se. Projeta-se num italiano, pois, afinal, é Roma, e ele só poderia ser Roberto Benigni, e também num garoto norte-americano interpretado por Jesse Eisenberg, que consegue falar mais rápido e gesticular de forma mais atrapalhada do que o artista de quem vira alter ego.

No novo filme, Allen segue falando do que lhe interessa - relacionamentos, neuroses. E, se há uma coisa que ele não se furta é fazer comentários sobre o estado do cinema atual. Um de seus alter egos fílmicos vai ao cinema e o filme dentro do filme é La Solitutide dei Numeri Primi, obra cabeça que o personagem, falando como Woody Allen, diz que é melhor que O Discurso do Rei (que ganhou o Oscar). Eisenberg faz um estudante que vive em Roma com a namorada. Encontra Alec Baldwin, que, curiosamente, quando jovem, morou na mesma rua e, talvez, na mesma casa. Baldwin comenta a vida de Jesse para o espectador.

A namorada e ele acolhem uma amiga dela - entra em cena a atriz de Juno, Ellen Page. Baldwin vaticina que Eisenberg vai se apaixonar, e não vai dar outra. O método de sedução de Juno baseia-se na terapia de choque, estilo analista de Bagé. Para posar como liberta de grilhões sexuais, ela conta como fez sexo com a amiga - Eisenberg deleita-se com o relato de iniciação lésbica, mas desperta brutalmente quando Ellen quer saber se ele nunca quis fazer sexo com o melhor amigo.

Enfim, é Woody Allen. Ele já fez filmes melhores, e Meia-Noite em Paris, na série das 'metrópoles', é the best. Roma é um filme médio, mas um filme médio de Woody Allen tem sempre muito a oferecer. Por exemplo, ele mostra que entendeu perfeitamente a Itália. Roberto Benigni, no filme, vira celebridade ao integrar um reality show - e é como se Woody Allen estivesse comentando o novo Matteo Garrone, premiado em Cannes, em maio, Reality. Há todo um episódio - a mulher casada que se perde em Roma - que evoca Abismo de Um Sonho, de Federico Fellini. Penélope Cruz, tão despudorada - e espanhola - quanto em Vicky Cristina, entra em cena como prostituta de luxo, metralhando o marido abandonado com seus diálogos em italiano e também propostas indecentes. Woody Allen fez coisas melhores, mas a diversão é garantida.

Tudo o que sabemos sobre:
Woody-AllenPara-Roma-com-Amor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.