Woody Allen dá sinal verde para autobiografia

Woody Allen mandou avisar a editoras americanas que pode escrever sua aguardada autobiografia, e a descreveu como se fosse um filme. Em uma proposta de 12 páginas que o cineasta escreveu e um tablóide nova-iorquino revelou, Allen promete um livro "cheio de dramas e conflitos fascinantes da vida real, alguns mais dramáticos do que qualquer filme que eu posso fazer". A carta faz menção explícita ao caso que talvez seja o mais polêmico de toda a vida do diretor: quando era casado com Mia Farrow e a trocou pela filha adotiva dela, Soon-Yi Previn, que hoje é sua mulher. "Meu incrível encontro com Mia Farrow, nossa relação totalmente não convencional, nossas experiências juntos, nossos problemas, minha paixão por sua filha e o subseqüente terremoto que isso causou", escreveu Allen em sua proposta, indicando a vontade de contar tudo no possível livro. "O episódio Mia é em si um livro inteiro. Alguns anos de loucura incluindo casos judiciais, brigas por custódia, experiências bizarras demais com direito a psiquiatras de todos os tipos, detetives particulares, grampos telefônicos e uma divulgação na imprensa que ninguém acreditaria (e nem deveria)", diz ainda o documento enviado por Allen. Depois de prometer o céu a qualquer editor interessado em vender muitas toneladas de livros, o cineasta que mais ama Nova York diz qual é sua condição: "Por isso eu quero um monte de dinheiro. A bola está com vocês". As informações são do site Imdb.com.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.