Wonderland: a aids como lição de vida no palco

Como médico, Maurício Souza Lima emocionou-se com os diversos relatos que ouviu de pacientes que contraíram o vírus da aids. Como artista, decidiu combater o descaso e a desinformação do público com um problema ainda preocupante e criou o monólogo Wonderland, que estréia hoje na Sala Paschoal Carlos Magno do Teatro Sérgio Cardoso. Em cena, ele representa um homem que chega à uma estação de trem de madrugada e lá permanece até o amanhecer. Enquanto isso, mantém diálogos mentais com a mãe, o irmão, a mulher, que entrecortam seus devaneios. "Em nenhum momento, o espectador é confrontado com alguma cena violenta, mas as histórias, aos poucos, acabam por deixá-lo surpreendido", conta o ator, que atua há 20 anos. Seu personagem representa uma síntese das diversas histórias que ouviu, especialmente na década passada, quando manteve contato com pacientes infectados pelo HIV. "A aids perdeu um pouco daquele estigma de ser uma praga que ataca apenas homossexuais e dependentes de droga, mas, algumas pessoas ainda acreditam que estão ilesas do contágio", afirma Lima, que já se apresentou no Rio, interior paulista e Curitiba. A reação é praticamente a mesma - divertindo-se com as histórias contadas pelo homem, os espectadores só sentem realmente o impacto ao final do espetáculo. Não convém adiantar a surpresa, mas Lima coleciona a mesma reação de espanto em praticamente todos os palcos em que se apresenta. "É um momento em que a visualização da doença e todas as suas conseqüências pegam o público que, muitas vezes, sai atordoado do teatro." O ator lembra-se de um fato curioso, quando um espectador, desgostoso com sua decisão de não voltar para agradecer os aplausos, reclamou mas logo ficou boquiaberto com a última cena do espetáculo. "Foi ali que realmente eu tive a certeza de que as pessoas descobrem o propósito da peça e da importância da prevenção." Wonderland. 60 min. 14 anos. Teatro Sérgio Cardoso. R. Rui Barbosa, 153, Bela Vista, 3288-0136, metrô Brigadeiro. 3.ª e 4.ª, 21 h. R$ 20.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.