Wolf Maya deixa "Kubanacan" de olho em "Dinastia"

O diretor Wolf Maya deixou esta semana a novela Kubanacan, provocando um certo ruído na mídia. Nesta entrevista, ele garante que não brigou com o autor Carlos Lombardi e que só se afastou para tirar férias antes de entrar na produção de Dinastia, novela de Aguinaldo Silva, prevista para estrear em junho. Antes de se tornar ator, diretor e roteirista, Wolf ganhava a vida como médico. Hoje, tem 20 novelas e cinco minisséries no currículo, além de uma escola de formação de atores para a TV.A novela "Kubanacan" levantou o horário das sete. A que você atribui esse sucesso?Wolf Maia - Porque ela tem estilo e diferencial: fala de fantasia e tem uma história saborosa. Recupera o herói, como faziam Ivani Ribeiro e Janete Clair. Isso excita a audiência jovem.Então por que você a deixou?Não briguei com o Lombardi, pedi para sair porque preciso de férias. Saí da novela com o coração na mão, o elenco ficou triste. Mas deixo Kubanacan com 45 pontos de média no Ibope. Depois de 100 capítulos, a história depende mais do autor. Fui chamado para fazer a novela do Aguinaldo Silva, cuja pré-produção começa em dezembro.Como será essa novela? Quando estréia? Começa em junho e por enquanto chama-se Dinastia. A trama começa em 1968, quando a personagem principal vem do Nordeste para o Rio com os filhos. Será uma saga de família. O Rio entra, mas não a zona sul: será a Lapa e o Bairro Peixoto.Os diretores de novelas não se sentem desvalorizados por não serem citados como criadores?A TV é o único lugar onde o diretor é desvalorizado, diferente do cinema e do teatro. É que na TV o processo de criação fica muito na mão do autor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.