Will Smith calado em Eu Sou a Lenda

As Aventuras de Hubert, o Cão Herdeiro

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2010 | 00h00

15H40 NA GLOBO

(The Duke). Canadá, Inglesa, 1999. Direção de Philip Spink, com James Doohan, Courtnee Draper, Jeremy Maxwell, Oliver Muirhead, Winnie Cooper, Judy Geeson.

A história de um duque e seu cão de caça, Hubert. O duque é um homem bom, que ajuda os pobres. Todos em Dingwall o adoram. Menos um malfeitor, de olho em sua riqueza. Em seu leito de morte, o duque dita seu testamento ao sobrinho: deixa tudo para Hubert, que agora tem que administrar Dingwall. O que pode parecer uma ideia absurda (um cão governar um povo), logo parece uma sugestão até agradável, quando se acompanha o noticiário político desse país. Reprise, colorido, 88 min.

O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas

22H NA REDE BRASIL

(St. Elmo"s Fire). EUA, 1985. Direção de Joel Schumacher, com Emilio Estevez, Rob Lowe, Andrew McCarthy, Demi Moore, Judd Nelson.

Recém-formados se defrontam com os problemas da vida real. Com o fim das brincadeiras de adolescentes, começa a competição do mercado de trabalho. Um pouco frustrante - o diretor parece preocupado demais com os aspectos negativos do rito de passagem -, mas com um elenco que, há 24 anos, reunia a nata dos jovens talentos de Hollywood. É curioso observar como a meca do cinema parecia, na época, ter uma visão mais otimista e inteligente da juventude. Reprise, colorido, 107 min.

Eu Sou a Lenda

23H10 NO SBT

(I am Legend). EUA, 2007. Direção de Francis Lawrence, com Will Smith, Alice Braga, Dash Mihok, Charlie Tahan.

Um virologista militar é o único sobrevivente da cidade de Nova York depois que um terrível vírus, criado pelo homem, dizima toda a população do planeta. Mas ele não está exatamente sozinho. Vítimas mutantes do vírus espreitam nas sombras esperando o melhor momento para atacá-lo. Inexplicavelmente imune a essa praga, ele busca encontrar um meio de reverter os efeitos do vírus. Interessante filme de ficção, em que o habitualmente tagarela Will Smith é obrigado a passar boa parte da trama calado, ao lado de um cachorro. Inspirado no texto clássico de Richard Matheson que já foi filmado com Vincent Price e Charlton Heston nos anos 60, o longa traz ainda a brasileira Alice Braga, cuja atuação foi elogiada por um crítico do jornal New York Times - segundo ele, Alice consegue dar densidade e sutileza a uma personagem que outra atriz menos talentosa talvez transformasse numa figura puramente decorativa. Reprise, colorido, 100 min.

Intercine

A emissora exibe o preferido do público entre Lance Livre, de Tom Decerchio, com Damon Wayans, Daniel Stern, Dan Aykroyd, Gail O"Grady, Christopher McDonald, Paul Guilfoyle, sobre dois grandes amigos que são fanáticos torcedores do Boston Celtics. Por conta disso, acabam cometendo uma loucura para evitar que o time seja derrotado na final da NBA: sequestram o melhor jogador da temporada que é também o astro do time adversário; e Distúrbio Mortal, de Evelyn Maude Purcell, com Gina Gershon, Sean Patrick Flanery, Michael Biehn, Nick Boraine, Eddie Driscoll, Danny Keogh, sobre uma psiquiatra que trabalha numa cadeia, ajudando perigosos criminosos a se regenerar, e vive o pior pesadelo de sua vida quando um dos seus pacientes extrapola o limite entre a verdade e a fantasia.

Amanhã

A Globo exibe amanhã, no Intercine, o preferido do público entre A Vingança do Mosqueteiro, de Peter Hyams, com Catherine Deneuve, Mena Suvari, Stephen Rea, Tim Roth, sobre D"Artagnan que regressa à sua cidade natal decidido a integrar a guarda de elite dos mosqueteiros do rei e a encontrar o perverso Febre, assassino de seus pais. Porém, logo descobre que a legião dos mosqueteiros foi desfeita e encontra aliados apenas na corajosa Francesca, em Athos, Porthos e Aramis. Juntos, eles lutarão para salvar a rainha da França das conspirações de Febre com o cardeal Richelieu. Nova e original versão de clássico imortal (Alemanha, Inglaterra, 2001, fone 0800-70-9011); e Prazer a Três, de Rob Hardy, com Monica Calhoum, Michael Jai White, sobre uma psicóloga de sucesso que aceita tratar uma misteriosa paciente. As sessões adquirem uma dinâmica diferente do tradicional. Fantasias vêm à tona e uma das mulheres se verá envolvida numa rede criminosa (EUA, 2002, fone 0800-70-9012).

TV PAGA

Farrapo Humano

22 H NO TCM

(The Lost Weekend). EUA, 1945. Direção de Billy Wilder, com Ray Milland, Jane Wyman, Philip Terry, Howard da Silva.

Um dos diversos clássicos dirigidos pelo austríaco Billy Wilder em sua esplêndida carreira. Ray Milland vive o bêbado que passa um fim de semana sozinho e sem dinheiro. Perseguido por alucinações, ele vai tentar tudo, até roubar, para beber. Drama noir, vencedor de quatro Oscars - filme, diretor, ator e roteiro adaptado - e que só não é mais barra pesada porque Wilder teve de aliviar ao adaptar o livro de Charles Jackson, que mencionava ainda homossexualismo. Reprise, preto e branco, 101 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.