Western, Kane e a sexy Dona Flor

Mudança de Hábito

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2011 | 03h06

16H10 NA GLOBO

(Sister Act). EUA, 1992. Direção de Emile Ardolino, com Whoopi Goldberg, Harvey Keitel, Maggie Smith, Bill Nunn, Kathy Najimy, Wendy Makkena, Mary Wickes.

Whoopi Goldberg faz cantora de cabaré de Reno que, ameaçada pelo ex-amante gângster, se esconde num convento. A nova 'freira' apronta todas, mas também conquista o coração das demais pensionistas. O diretor Ardolino gostava de musicais e saiu-se bem em Dirty Dancing - Ritmo Quente, por exemplo. Mas morreu prematuramente (de aids) e não teve tempo de dar a medida de seu talento. O cartaz da Globo é divertido, com Whoopi em estado de graça e um conjunto de ótimas coadjuvantes - Maggie Smith, Wendy Makkena, Kathy Najimi, Mary Wickes. Reprise, colorido, 100 min.

Missão Quase Impossível

22H25 NA GLOBO

(The Spy Next Door). EUA, 2010. Direção de Brian Levant, com Jackie Chan, Amber Valletta, Madeline Carroll, Will Shadley, Alina Foley.

O título meio que sugere uma paródia de Missão Impossível - e Tom Cruise vem com o diretor Brad Bird para o tapete vermelho do quarto episódio da série, no Rio, em dezembro. Mas não é paródia. Jackie Chan, faz agente da CIA que se aposenta para se casar com Amber Valletta. Começa aí sua missão mais difícil - conquistar os filhos da mulher. Reprise, colorido, 89 min.

As Aventuras de Robert Louis Stevenson

23H30 NA CULTURA

(The Adventures of Robert Louis Stevenson). Inglaterra, 2009. Direção de Andrew Thompson.

Autor de clássicos como A Ilha do Tesouro e O Médico e o Monstro, Robert Louis Stevenson teve uma vida tão extraordinária quanto a dos melhores personagens que criou. O documentário da Cultura tenta dar conta dessa riqueza. Reprise, colorido, 51 min.

Bossa Nova

2H15 NA GLOBO

Brasil, 1999. Direção de Bruno Barreto, com Amy Irving, Antonio Fagundes, Alexandre Borges, Debora Bloch, Drica Moraes, Giovanna Antonelli.

O diretor Barreto foi massacrado pelos críticos porque teria feito uma comédia romântica demasiado 'carioca', e com paisagens de cartão-postal. Talvez ele devesse ter feito como Woody Allen, que colocou todos os grandes monumentos da capital francesa na abertura de Meia-Noite em Paris e, depois, bye-bye. Antônio Fagundes faz empresário boa-pinta que acaba de se divorciar e inicia relacionamento com ex-aeromoça viúva que dá aulas de inglês. O roteiro baseia-se vagamente no livro Senhorita Simpson, de Sérgio Sant'Anna. Sem preconceito, pode-se ver que há algo de François Truffaut na abordagem do tema do casal. Reprise, colorido, 90 min.

TV Paga

Sem Lei sem Alma

19H40 no TELECINE CULT

(Gunfight at the OK Corrall). EUA, 1957. Direção de John Stturges, com Burt Lancaster, Kirk Douglas, Rhonda Fleming, Jo Van Fleet, DeForest Kelley, John Ireland, Lee Van Cleef.

O cinema contou muitas vezes a história do tiroteio do OK Corral, quando o xerife Wyatt Earp e seu amigo Doc Holiday enfrentaram os Clantons. Os primeiros filmes retratavam a dupla como personificação do heroísmo. Depois, descobriu-se que eram celerados. Sturges fez duas versões da trama - esta é a heroica, sólida, com roteiro coescrito pelo escritor Leon (Exodus) Uris e a balada-tema cantada por Frankie Laine. A versão desmistificadora surgiu dez anos mais tarde - A Hora da Pistola, com James Garner e Jason Robards. Reprise, colorido, 122 min.

Dona Flor e Seus Dois Maridos

1H40 NO CANAL BRASIL

Brasil, 1976. Direção de Bruno Barreto, com Sônia Braga, José Wilker, Mauro Mendonça, Mara Rúbia, Dinorah Bilhante, Cláudio Mamberti, Nelson Xavier, Nelson Dantas, Ruy Rezende.

É curioso que, no mesmo dia em que a Globo exibe Bossa Nova, o Canal Brasil esteja reprisando o maior sucesso de público do diretor Barreto - e a maior bilheteria do cinema brasileiro antes de Tropa de Elite 2, de José Padilha. Baseado no romance de Jorge Amado, o filme conta a história de Florípides, quituteira cujo marido, o pândego Vadinho, morre na farra e ela se casa com o circunspecto Teodoro, mas a felicidade só se completa quando o espírito do falecido reaparece para vadiar com ela. A beleza (e sensualidade) de Sônia Braga, a picardia de José Wilker, a trilha com a canção de Chico Buarque, participação de Milton Nascimento, O Que Será? Como resistir? Antônio Fagundes - sim, é ele - faz uma ponta. Reprise, colorido, 90 min.

Cidadão Kane

2 H NO TCM

(Citizen Kane). EUA, 1941. Direção e interpretação de Orson Welles, com Joseph Cotten, Everett Sloane, Agnes Moorehead, Dorothy Comingore.

Considerado o melhor filme de todos os tempos, o clássico de Welles conta, por meio de flash-backs, a história de um magnata da imprensa. O filme, como diz Leonard Maltin, quebrou velhas regras narrativas e criou novas. Maior que o enigma que movimenta o relato - o que significa Rosebud? -, é a polêmica sobre a autoria de Cidadão Kane, envolvendo Welles e o roteirista Herman Mankiewicz. Por mais importante que seja o roteiro, 'tout est dans la mise-en-scène'. O filme é de Welles, claro. Reprise, preto e branco, 119 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.