Reprodução
Reprodução

Western à brasileira

Autor do gibi cult Ken Parker chega ao País e seleciona brasileiros para a série

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2013 | 02h22

Chegou ontem a Belo Horizonte o desenhista italiano Ivo Milazzo, de 66 anos, autor de uma das histórias em quadrinhos mais importantes da história, o western Ken Parker, referência para cartunistas como Laerte Coutinho e para músicos como Arrigo Barnabé. Oficialmente, Milazzo volta ao Brasil após 15 anos para lançar (no Festival Internacional de Quadrinhos, que começa hoje) quatro álbuns inéditos de sua maior criação pelo Clube dos Quadrinhos.

Mas, extraoficialmente, ele tem uma missão a mais: chega a São Paulo nos dias 17 e 18 para acertar detalhes de um projeto conjunto com um grupo de desenhistas brasileiros. Os desenhistas (um dos que o aguardam é Klebs Jr., da Impacto Quadrinhos) vão trabalhar pela primeira vez numa nova série de Ken Parker, sob encomenda da editora italiana Mondadori. A série será publicada na Itália, e Milazzo fará a supervisão de todo o trabalho.

O gibi cult Ken Parker (um episódio antigo do quadrinho, A Nação dos Homens, está valendo R$ 600 no Mercado Livre), influenciado pelo western spaghetti, mostra uma abordagem humanista da história do faroeste. Nenhum tema era tabu para seus autores, Milazzo e Giancarlo Berardi (o escritor). O primeiro álbum, com capa dura, que está chegando às livrarias do Brasil esta semana, Os Condenados, fala de um trágico amor homossexual numa penitenciária encravada num pântano da Flórida.

Todas as quatro histórias são em preto e branco. Permitem uma panorâmica pela vida do protagonista, o caubói errante Ken Parker (inspirado originalmente por um filme de Sydney Pollack, Jeremiah Johnson). Nos Tempos do Pony Express mostra uma aventura iniciática do herói quando este tinha 17 anos, em 1861. Nessa aventura, Milazzo presta uma homenagem à obra do pintor e escultor Frederic Remington (1861-1909) e ao ilustrador Harold Ron Schmidt (1893-1982).

Já a aventura Cara de Cobre mostra a história do último índio da tribo Yana, o guerreiro Ishi, cujo povo foi devastado pelo genocídio colonizador. Ishi viveu os últimos dias de sua vida em São Francisco, dentro de um museu, como uma espécie de artefato vivo de uma cultura.

Em As Aventuras de Teddy Parker, pela primeira vez entra em cena o filho do protagonista. Teddy Parker é narrado com um certo débito literário para com o universo dickensiano - Teddy perambula como um órfão pelo mundo e se envolve com um cachorro vira-latas, Bix, que acaba se tornando o centro de uma história de intriga e aventura.

Todas as histórias de Milazzo e Berardi têm espantosa envergadura literária. Os autores construíram uma complexa teia de citações eruditas em suas histórias, que envolve também música, teatro, poesia - de Walt Whitman a Shakespeare, dos musicais parisienses ao circo, da luta de boxe aos quakers e a vida nas reservas indígenas.

"Embora almejássemos fazer uma relação direta com o leitor para comunicar emoções, a literatura reenvia à fantasia de alguém o imaginário que mais se adapta a seu conhecimento, e os quadrinhos fazem a interação entre a palavra escrita e os desenhos em sequência, mas em perfeita complementaridade", disse Milazzo, sobre as diferenças entre uma arte e outra.

Ultrapolitizado, Milazzo luta na Itália por questões como o direito do autor e nunca evita o debate democrático. Tem uma formação esquerdista - um dos episódios do seu gibi, Greve, ultra marxista, tornou-se clássico (chegou a ser proibido em alguns países), tinha uma capa que citava o famoso quadro revolucionário de 1901, Il Quarto Stato, de Giuseppe Pelizza da Volpedo.

Ivo Milazzo tem 66 anos. Nasceu em Tortona, em 20 de junho de 1947. Desenhou histórias em quadrinhos de Tarzan, Tex e Diabolik e colaborou para as revistas Horror e Sorry. Com Giancarlo Berardi, seu parceiro eterno, criou L'Uomo delle Filippine, Marvin il Detective, Tom's Bar e Giuli Bai & Co. Participou das séries Nick Raider e Magico Vento. Ilustrou os livros Canto di un Uomo-Falco, do poeta Fabrizio Portalupi, e fez Superbi itinerari, um guia turístico da cidade de Genova através de seus aromas, sabores e curiosidades. Recentemente, publicou uma biografia quadrinizada de Baden Powell.

O lançamento dos álbuns é um acontecimento. "O preço é a bagatela de R$ 79,90 para uma tiragem limitada de 500 exemplares. O suficiente para os leitores que ainda restam do personagem", brinca o editor, Wagner Augusto, do Clube dos Quadrinhos. Ele sabe que os 500 exemplares, em breve, serão disputados em outros patamares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.