Waldemar Cordeiro ganha retrospectiva no Itaú Cultural

Agressivo, agitador, autoritário. Se fosse conhecido apenas por esses três adjetivos que começam com a primeira letra do alfabeto, o artista Waldemar Cordeiro (1925-1973) seria lembrado mais por ser um personagem revolucionário, formado na escola gramsciana, do que por sua contribuição às artes brasileiras. É preciso, portanto, ser justo e trocar os adjetivos. Antes de tudo, Cordeiro foi o pioneiro que introduziu a arte concreta no Brasil, não dependendo do desembarque do suíço Max Bill na 1ª Bienal de São Paulo (1951). Foi também o visionário que realizou as primeiras experiências artísticas com computadores no País - isso há mais de 40 anos, quando eles eram usados apenas pelos bancos e serviços de informação militares. Como homenagem a esse contestador nascido na Itália e brasileiro por adoção, o Itaú Cultural abre na quarta, 3, uma grande retrospectiva com 250 obras suas - inclusive algumas inéditas - , que ocupam três andares do instituto.

ANTONIO GONÇALVES FILHO, Agência Estado

01 de julho de 2013 | 09h56

A mostra é ambiciosa, exigindo o trabalho de dois curadores, os críticos Arlindo Machado e Fernando Cocchiarale, para mapear o processo criativo de um artista múltiplo que foi também urbanista, arquiteto e paisagista - sua principal atividade profissional. A bailarina Analívia Cordeiro, uma das duas filhas do artista, lembra a propósito que o pai jamais participou de qualquer esquema de comercialização de sua obra - até porque não existia mercado de arte no Brasil quando ele se instalou aqui, em 1946,. Mesmo depois, continuou a manter distância ideológica de galeristas, por ser um comunista radical.

"Ele ganhava dinheiro com paisagismo, não com obras de arte", diz a filha. "Para lembrar, vamos montar um jardim ao lado do auditório do Ibirapuera, seguindo um esboço deixado por ele", revela. Não é a única novidade que Analívia anuncia. Mesmo sendo homenageado pelo curador Luis Pérez-Oramas com uma sala na última Bienal de São Paulo, Cordeiro tem muitas obras inéditas, que não foram mostradas nem mesmo em 1986, na última retrospectiva dedicada ao artista. Guardadas por 27 anos, elas saem da casa de Analívia diretamente para a mostra do Itaú Cultural.

WALDEMAR CORDEIRO: FANTASIA EXATA - Itaú Cultural. Avenida Paulista, 149, tel. 2168-1776. 3ª a sáb., 9h/20h; sáb. e domingo, 11h/20h. Grátis. Até 22/9. Abertura quarta, para convidados.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
exposiçãoWaldemar Cordeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.