Divulgação
Divulgação

'Voto em São Paulo, mas não quero declarar em quem, me poupe', diz Regina Duarte

Regina Duarte está comemorando 50 anos de carreira artística com exposição e um espetáculo onde atua e dirige, Raimunda, Raimunda. A atriz, de 65 anos, foi ao Programa do Jô na tarde desta terça-feira (28) para falar sobre sua longa trajetória na TV, nos palcos e no cinema, e para ser homenageada por Jô Soares e por colegas de trabalho, que surgiram no telão. A entrevista com o apresentador ocupa quatro blocos e será exibida na sexta-feira, depois do Jornal da Globo, na TV Globo.

João Luiz Moura - O Estado de S.Paulo,

29 de agosto de 2012 | 08h17

Assim que chegou ao estúdio, a atriz foi aplaudida pela plateia e, de surpresa, acompanhou trechos de sua carreira, desde os anos 1960 até momentos emblemáticos, como sua atuação em Malu Mulher e Roque Santeiro (onde viveu a Viúva Porcina). Soares lembrou que já a dirigiu em 1969, quando ela fez a protagonista de Romeu e Julieta, de William Shakespeare. Regina também fez A Megera Domada, do mesmo autor britânico.

E a conversa foi seguindo assim, rememorando trechos de sua carreira, com poucas revelações bombásticas. Regina disse que não faz muitos planos futuros, nem olha para o passado, é uma mulher do "agora, do hoje, do presente". Comentou, também, que a vida é feita de construção, "de tijolinho em tijolinho". A atriz respondeu a perguntas de Daniel Filho e Renato Machado - hoje, jornalista, mas que já atuou com ela no teatro. Regina confessou que sempre foi "caipirona", filha de pai militar e de professora de piano, por isso, sempre evitou mostrar-se nua em cena. Seu sonho profissional? Montar Quem Tem Medo de Virginia Woolf?, de Edward Albee.

Ao final, leu um poema e concedeu breve entrevista a jornalistas presentes. Regina, então, admitiu que se arrependeu de não ter aceito o papel de Dona Flor. Ela recebeu o convite e, como se sabe, virou um marco na carreira de Sonia Braga. "Recusei por causa da nudez", disse. "A Betty Faria não recusou Porcina na segunda versão e se arrependeu? Comigo aconteceu com Dona Flor". Fã das últimas novelas da TV Globo, cita Avenida Brasil como um marco, assim como Cordel Encantado e A Vida da Gente. "Minha novela favorita era A Favorita (de João Emanuel Carneiro)".

Regina já reclamou da falta de bons papeis para mulheres de sua geração, mas disse que adorou fazer, recentemente, O Astro e um episódio de As Brasileiras. "O que acontece é que nunca morei regularmente no Rio, então não faço parte das turmas. Os autores hoje são soberanos, eles decidem com quem trabalhar". A atriz disse que se tivesse 20 anos não queria ser conhecida como "A Namoradinha do Brasil. Seria a Rainha das Periguetes", brincou. O assunto político não poderia ser deixado de fora. Regina, que já disse ter medo do PT, afirmou que vota em São Paulo. "Mas não quero declarar em quem. Me poupe", encerrou a entrevista, às gargalhadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.