Reuters
Reuters

'Votar é mais poderoso que as bombas, as pessoas devem votar', diz De Niro

Ator se manifestou depois que 12 pacotes-bomba foram enviados a personalidades vinculadas ao Partido Democrata

EFE

26 Outubro 2018 | 17h43

NOVA YORK - O ator Robert De Niro, alvo de um dos artefatos suspeitos encontrados em Nova York, afirmou nesta sexta-feira, se dirigindo à população americana a poucos dias das eleições legislativas de 6 de novembro, que "há algo mais poderoso que as bombas, e esse é o seu voto. As pessoas DEVEM votar!".

Esta é a mensagem que De Niro enviou aos veículos de imprensa, através de seu representante, depois que 12 pacotes-bomba foram enviados desde a segunda-feira a personalidades vinculadas ao Partido Democrata, um deles endereçado ao próprio ator, o que as autoridades classificaram de "terrorismo".

A dez dias das eleições legislativas, Robert De Niro disse em sua nota se dirigindo à população: "Agradeço a Deus que ninguém tenha sido vitimado, e agradeço às pessoas corajosas e engenhosas das forças de segurança e à aplicação da lei para nos proteger. Há algo mais poderoso que as bombas, e esse é o seu voto. As pessoas DEVEM votar!".

Com esta mensagem, De Niro pede claramente o voto para os democratas e contra o Partido Republicano do presidente Donald Trump.

De Niro e Trump protagonizaram um bate-boca dialético em junho, quando o presidente afirmou que o ator tem um coeficiente intelectual "muito baixo" depois das afirmações feitas por De Niro de que o presidente teve um "comportamento estúpido" na Cúpula do G7.

"Robert De Niro, um indivíduo com um coeficiente intelectual muito baixo, recebeu muitos golpes na cabeça de pugilistas nos filmes. O vi ontem à noite e acredito seriamente que ele pode estar 'atordoado'", disse Trump no Twitter, em alusão à interpretação de De Niro do boxeador Jake LaMotta, um papel que lhe rendeu o Oscar de melhor ator.

Essa foi a resposta de Trump às palavras de De Niro, que tinha se desculpado anteriormente com o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, pelo comportamento "estúpido" do presidente de seu país durante a Cúpula do G7.

"Uma nota de desculpas pelo comportamento estúpido do meu presidente. É uma desgraça e peço desculpas a Justin Trudeau e aos outros líderes do G7", declarou o artista, que estava em Toronto naquele momento para inaugurar seu novo restaurante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.