Babu/Reuters
Babu/Reuters

Volta ao mundo em joias sensuais e exóticas

Entre as coleções estão a de Karl Lagerfeld e a do roqueiro Pete Doherty

Suzy Menkes, The International Herald Tribune, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2011 | 00h00

Da antiga Istambul à moderna Los Angeles, passando por fósseis de mamute a cisnes esculpidos, os designers de joias fizeram excursões globais e históricas em busca de inspiração. A volta ao mundo em 80 - ou mais - joias é o tema da temporada, na qual nada é demasiado exótico para ser usado.

Bizâncio. "É uma mistura de influências, romana e oriental", disse o estilista alemão Karl Lagerfeld de uma coleção Chanel carregada de ornamentos, inspirada na imperatriz bizantina Teodora do século 5.º. Lagerfeld fundiu suas imagens fotográficas da arquitetura antiga da cidade italiana de Ravenna com braceletes de cruz bizantina dos anos 1930 de Coco Chanel. O resultado é uma coleção fascinante.

Casa Italiana. Giambattista Valli abriu sua primeira loja na Galerie de la Madeleine, Paris, onde está expondo seu exclusivo espírito franco-italiano. As joias barrocas, sensuais, esculturais e ocasionalmente bárbaras do designer romano Luigi Scialanga são um exemplo da sensibilidade de Valli. "Queria recuperar aquele sensação de uma casa de moda como "maison"", lembrou Valli, para definir os bancos com padrões de crocodilo, bordados de joias em cadeiras, um perfume de pimenta preta com rosas e exposição de esboços de Yves Saint-Laurent.

Londres. Trabalhando com a designer britânica Hannah Martin, o astro do rock Pete Doherty usou peças raras em suas joias: ossos fossilizados de mamute que se transformaram em pendente de ouro rosado ou em abotoaduras prateadas. "Eu me inspirei nos elefantes e nas coisas antigas que coleciono", informou o músico inglês.

Los Angeles. Webster está acostumado com astros de Hollywood batendo à sua porta. Mas agora eles não precisarão ir tão longe para ver suas joias irreverentes, inspiradas em arraias ou até nas imagens de avareza e sensualidade dos Sete Pecados Capitais. No começo de dezembro, a joalheria londrina abriu sua primeira loja americana, em Rodeo Drive, Beverly Hills.

Índia. A relação da Cartier com os marajás da Índia resultou em joias coloridas e excepcionais no começo do século 20. A conexão indiana da joalheria francesa foi reforçada no mês passado com uma espetacular moeda de ouro com o Taj Mahal em relevo com 68 diamantes em seu domo. Produzida pela casa da moeda francesa La Monnaie de Paris e oferecida numa caixa luxuosa da especialista em couro Goyard, as 29 moedas serão leiloadas em favor do Unesco World Heritage.

Paris, Paris! Uma revoada de borboletas do artista Damien Hirst tendo como cenário uma decoração em cinza prata, é o pano de fundo da joalheria Dior na Place Vendôme. A Dior Joaillerie-Horlogerie, como seu nome sugere, expõe relógios e joias coloridas de Victoire de Castellane. Rosas, com flor e espinhos, estão expostas em casas de boneca inspiradas pelo "lar" da marca na Avenue Montaigne.

O designer de interiores Peter Marino transformou o que foi um dia um espaço aberto em pequenas salas, tanto no piso principal como no alto do poço da escadaria estilo mansarda. / TRADUÇÃO DE CELSO M. PACIORNIK

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.